Início > Boas Praticas > Atividade apícola associativa em Alto Turi, no Maranhão, fortalece a agricultura familiar e impulsiona a renda na região

Atividade apícola associativa em Alto Turi, no Maranhão, fortalece a agricultura familiar e impulsiona a renda na região

Alto Turi

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
MA
O projeto teve início com um grupo de agricultores e visa fortalecer a organização, produção e comercialização dos produtos da apicultura, por meio da prática associativa, nos 18 municípios que abrangem a região do Alto Turi. Com isso, objetiva consolidar a apicultura como uma das principais atividades econômicas para a agricultura familiar.

Descrição

Criada em 1998, a Associação dos Apicultores da Região do Alto Turi (Turimel), se tornou o principal instrumento agregador dos moradores do Alto Turi em torno de uma atividade produtiva coletiva que pudesse mudar a realidade da região. A organização foi criada para ajudar os moradores a enfrentarem problemas como a redução na renda dos agricultores familiares devido à baixa produtividade da agricultura tradicional; a aceleração do êxodo rural, devido à falta de trabalho para a população local; e as queimadas descontroladas, devido principalmente à expansão da pecuária, que causava desertificação da região.

O território de Alto Turi é característico pelo grande número de propriedades baseadas na agricultura familiar. A infraestrutura precária e a baixa aptidão das terras para a agricultura acarretaram dificuldades de sobrevivência para essas famílias, que tiveram de buscar ao longo do tempo diferentes estratégias de sobrevivência. 

Foi na segunda metade da década de 90 que um grupo de agricultores que fazia parte da Comissão Pastoral da Terra, da Igreja Católica, que já apoiava pequenos projetos de apicultura em outras regiões, iniciou uma experiência em torno da atividade apícola até então pouco difundida na região. Essa experiência, com o auxílio de parcerias e das organizações sociais envolvidas alcançou ao longo do tempo bons resultados e conquistou cada vez mais adeptos até que por meio do associativismo conseguiu caracterizá-la como um mecanismo viável de geração de renda e ocupação para as famílias locais.

O grupo inicial montou uma pequena marcenaria no quintal da casa paroquiana, para confeccionar caixas de madeira para as colmeias e também foi lá que arrumaram um local para a extração do mel, com o apoio financeiro do fundo diocesano.  As caixas eram cedidas a agricultores familiares locais, em forma de fundo rotativo, para iniciarem a atividade. As famílias que iam se integrando recebiam as colmeias gratuitamente, com o dever de retribuir o investimento com 50% da produção de mel, de forma que a atividade se refinanciasse através do trabalho na oficina organizado em parceria. Aos poucos, o grupo inicial foi se fortalecendo e deu origem à Associação Turimel com a composição inicial de vinte e dois sócios.

Com o passar do tempo, os apicultores adquiriram cada vez mais conhecimento técnico relativo à atividade apícola. Conhecimento este que era socializado entre eles por meio das relações de proximidade que mantinham. Por sua vez, a TURIMEL, por meio de ações como capacitação dos apicultores e divulgação do mel como alimento junto à comunidade em geral, busca o crédito para custeio e investimento na apicultura, apoio à comercialização, e fortalecimento institucional às entidades associativas de produção apícola da região.  

Essas iniciativas fortaleceram a apicultura e favoreceram para que a atividade se popularizasse cada vez mais entre os agricultores da região. Além disso, com a expansão da apicultura entre os agricultores, somando a essa expansão os conhecimentos que eles adquiriam, começou a se disseminar em todo o território uma nova mentalidade quanto à necessidade de preservação da paisagem natural que, no caso do Alto Turi, era o principal fator de vantagem competitiva para a viabilidade da apicultura. Ou seja, a valorização da floresta e das matas nativas deixou de ser apenas um imperativo ambiental, passando a ser também econômico e social e foi ganhando importância maior quanto mais agricultores começavam a empreender na atividade. 

Atualmente, a apicultura está consolidada na região, o que gerou muitos ganhos para a agricultura familiar e a sociedade em geral, com a formalização de dez associações lideradas pela TURIMEL como porta de exportação do mel, considerando que a mesma já dispõe do SIF – Sistema de Inspeção Federal Internacional, e pode assim escoar o produto desta região que é denominada de “Quadrilátero do Mel”. Cerca de 500 famílias são beneficiadas com melhoria na aquisição de renda e na qualidade de vida além do acesso a novos conhecimentos.

Neste contexto, a Agência de Promoção às Exportações do Brasil – APEX, o SEBRAE nacional, e o SEBRAE do Maranhão, por meio da convergência de esforços, estão desenvolvendo ações voltadas ao fortalecimento da apicultura maranhense, do aumento da produção, da tecnologia utilizada e da qualidade do mel, buscando a inserção do produto no mercado internacional. Para isso contam também com o apoio do Governo do Estado do Maranhão.

A produção da TURIMEL é resultado da sua proximidade com os apicultores, do monitoramento do sistema de produção e das facilidades que proporciona aos associados, como o fornecimento de equipamentos, transporte e empréstimos individuais para o período de entressafra.

Metodologia

Um grupo de agricultores que fazia parte da Comissão Pastoral da Terra iniciou uma experiência em torno da atividade apícola. Apoiados por essa instituição, esse grupo montou uma pequena marcenaria no quintal da casa paroquiana, para confeccionar caixas de madeira para a criação das colmeias e também foi lá que arrumaram um local para a extração do mel.

As caixas eram cedidas a agricultores familiares locais, em forma de fundo rotativo, para iniciarem a atividade. As famílias que se integravam recebiam as colmeias gratuitamente, com o dever de retribuir o investimento com 50% da produção de mel, de forma que a atividade ia se refinanciando através do trabalho na oficina organizado em parceria em forma de fundo rotativo.

A produção de mel começou com cinco famílias e seus esforços levaram a criação da TURIMEL. Para a expansão da apicultura na região, a TURIMEL desenvolve ações como capacitação dos apicultores, divulga o mel como alimento junto a população, luta pelo crédito para custeio e investimento na apicultura, apoia a comercialização e fortalece institucionalmente às entidades associativas de produção apícola. 

Infraestrutura

Número de sócios apicultores e grande aptidão dos mesmos pela atividade;
Quantidade e qualidade da florada disponível;
Quantidade e qualidade do produto;
SIF internacional;
Localização geográfica do município próximo a um importante ponto de escoamento da produção, como o porto do Itaqui, na capital do Estado;
Produto com potencial para obtenção de Certificação Orgânica.

Objetivos

 - Incentivar as práticas associativas e a integração do pequeno produtor às cadeias produtivas por meio dos arranjos produtivos locais (APL’s);

- Consolidar a apicultura como uma das principais atividades econômicas para a agricultura familiar, promover o desenvolvimento social, econômico e a conscientização ecológica da população e assim, aumentar a qualidade de vida dos envolvidos na atividade apícola;

- Oferecer uma alternativa de geração de renda suficiente para evitar que os colonos deixassem suas terras.

Resultados

- Atualmente a TURIMEL conta com mais de 400 sócios de 18 municípios e um entreposto para recebimento e embalagem de mel (fazer parte da entidade parceira do Apis Alto Turi facilita o acesso aos programas Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e de Investimentos Coletivos Produtivos (Proinco), do BNDES). Também possui uma pequena “fábrica” de colmeias para facilitar o acesso as mesmas por seus associados e parceiros, que alcançam a produção média de oito mil unidades mensais de colmeias; a produção de mel aumenta em média um percentual de 30% a 40% ao ano; investimento na capacitação dos apicultores através de cursos e palestras sobre manejo e noções de qualidade e higiene.

- A apicultura está consolidada na região, o que gerou muitos ganhos para a agricultura familiar e a sociedade em geral. As dez associações formalizadas beneficiam diretamente cerca de 500 famílias com melhoria na aquisição de renda e na qualidade de vida e acesso a novos conhecimentos;

- Além disso, o projeto contribui para o despertar da consciência ambiental nos agricultores, o que promove a preservação ambiental da região;

- O projeto estabeleceu como meta de que nos próximos cinco anos o Maranhão se transforme no maior produtor de mel do país;

- Um dos vencedores da 4° edição do prêmio Objetivos do Milênio (ODM) Brasil, realizada em 2011;

- A Associação teve início em 1993 com 5 apicultores, 5 colmeias e com uma produção de 63Kg de mel. Em 2005 já eram 712 apicultores, 11.000 colméias e uma produção de 610.000 Kg de mel. Em 2012 a produção de mel alcançou 2,5 toneladas (fonte: SEBRAE e IBGE).

Instituições Envolvidas

Associação dos Apicultores da Região do Alto Turi (Turimel)
Comissão Pastoral da Terra (CPT)
Federação Maranhense de Apicultores e Meliponicultores (FEMAPEL)
Governo do Estado do Maranhão através da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima)
Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mel
Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf)
Agência de Promoção às Exportações do Brasil – APEX, 
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e pequenas Empresas (SEBRAE) Nacional
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e pequenas Empresas (SEBRAE) do Maranhão
Governo Federal no âmbito do eixo de inclusão produtiva do Plano Brasil sem Miséria com recursos da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) do Ministério da Integração Nacional e do Programa de Desenvolvimento Regional, Territorial Sustentável e Economia Solidária.

Fontes

http://www.odmbrasil.gov.br/sobre/vencedores/4a-edicao-2011/atividade-ap...
http://www.sagrima.ma.gov.br/2013/03/27/camara-setorial-do-mel-criara-fe...
http://www.sagrima.ma.gov.br/2013/12/16/roseana-entrega-kits-de-apicultu...
http://www.codevasf.gov.br/noticias/2013/codevasf-investe-r-2-milhoes-pa...
http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/mercadodetrabalho/bmt...
http://www.ma.agenciasebrae.com.br/noticia/21093383/noticias/sebrae-apoi...
 http://www.noticiasapicolas.com.ar/oapicultura18.htm
http://connepi.ifal.edu.br/ocs/anais/conteudo/anais/files/conferences/1/...
http://www.agenciasebrae.com.br/noticia.kmf?canal=199&cod=5597962&indice=60
http://www.apacame.org.br/mensagemdoce/122/artigo4.htm

 

36
última modificação: sex, 16/05/2014 - 09:57