Início > Boas Praticas > Cidades sem Fome nas periferias de São Paulo

Cidades sem Fome nas periferias de São Paulo

São Paulo

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
SP
População (Ano): 
11.300.000 hab.
Ano População: 
2011
Área Total (Ano): 
1.522,98 km²
A Organização Cidades sem Fome atua desde 2004 com o Projeto de Hortas Comunitárias, atenuando a situação das populações em risco social, que vivem em locais de grande concentração habitacional.

Descrição

A Organização Cidades sem Fome atua desde 2004 com o Projeto de Hortas Comunitárias, atenuando a situação das populações em risco social, que vivem em locais de grande concentração habitacional. Trata-se de uma organização não governamental que visa implantar a Agricultura Urbana em locais carentes, caracterizados pela vulnerabilidade social, como alternativa de desenvolvimento sustentável aliado à produção de alimentos, atuando positivamente sobre questões de relevância social, econômica e ambiental.

O projeto trabalha com a implantação de núcleos de hortas comunitárias em terrenos abandonados, na região leste do município de São Paulo, objetivando melhorar as condições de vida dos envolvidos, a partir de um processo participativo e colaborativo de geração de renda com a comercialização dos produtos.

A ONG identifica os terrenos ociosos e assina com o proprietário (que pode ser instituição pública, empresa, pessoa física, igreja, escola, entre outros) um contrato de empréstimo do terreno por tempo indeterminado.

Essa iniciativa não apenas melhora a alimentação das comunidades com alimentos saudáveis e nutritivos, como também sua capacitação profissional, geração de renda e emprego, e amplia as áreas verdes e permeáveis disponíveis no território da cidade.

Associados ao projeto de agricultura urbana são realizados programas de combate à desnutrição infantil, de aleitamento materno e de educação ambiental. Com isso, mais de 21 núcleos de hortas já foram implantados e cerca de 4 mil pessoas foram beneficiadas direta ou indiretamente.                               

Objetivos

• Implantação de núcleos de hortas comunitárias na região leste do município de São Paulo

• Introduzir uma alternativa de desenvolvimento sustentável, aliado à produção de alimentos em locais de grande concentração habitacional, em comunidades carentes, para atenuar a situação das populações que se encontram em situação de risco

• Estimular a produção local de alimentos orgânicos, que além de não gerar danos ao meio ambiente, afasta os trabalhadores dos riscos com o manuseio de produtos químicos e da dependência de insumos agrícolas artificiais, que envolvem aumento no custo de produção dos alimentos                                    

Cronograma

• Dezembro de 2003: Fundação da Organização Cidades sem Fome

• 2004: Início das atividades

• 2010: Cidades sem Fome recebe o prêmio Dubai Internacional Award for Best Practices 2010

• 2011: Cidades sem Fome recebe o 2º lugar para a região sudeste no prêmio Finep 2011 de Inovação, na categoria Tecnologia Social                               

Resultados

• 21 núcleos de hortas implantados

• Mais de 700 pessoas diretamente beneficiadas e quase 4.000 pessoas indiretamente beneficiadas

• 48 cursos de capacitação profissional ministrados

• Benefícios ambientais: aumento no percentual de permeabilidade do território, com diminuição do escoamento superficial das águas pluviais na região, incremento das reservas subterrâneas, aumento das áreas verdes, redução do total de lixo destinado aos aterros, devido à utilização de resíduos orgânicos para a produção de composto para as hortas, melhoria na paisagem urbana

• Benefícios sociais: aumento na segurança alimentar, melhoria na qualidade da dieta alimentar da população envolvida, devido o alto valor nutricional dos alimentos frescos e orgânicos produzidos, e consequente redução de riscos de enfermidades pela mal alimentação. Fornecimento de alimentos a pessoas e famílias sem acesso a alimentação básica, abaixo da linha da pobreza. Geração de emprego e renda para a população local das áreas onde se inserem os núcleos de hortas comunitárias

• Benefícios econômicos: geração de trabalho intensivo e renda contínua para os agricultores urbanos, utilização de insumos de baixo custo, como resíduos de poda ou rejeitos orgânicos domésticos, os quais são utilizados para a produção de adubo orgânico, agregando valor econômico ao que representa um passivo ambiental para as prefeituras municipais       

Instituições envolvidas

• Cidades sem Fome                                           

Fontes

http://cidadessemfome.org/pt/

http://cidadessemfome.org/pt/2008/10/beneficios-do-projeto/

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/ong-cidades-sem-fome-hortas-comunitarias-hans-dieter-temp-573722.shtml?func=2

http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/cidades-fome-hans-temp-premio-dubai-horta-comunitaria-607898.shtml

Galeria de Imagens: 
36
última modificação: qua, 28/08/2013 - 09:09