Início > Boas Praticas > Despoluição do Rio Tâmisa

Despoluição do Rio Tâmisa

Londres

Continente: 
Europa
País: 
Inglaterra
População (Ano): 
8.278.251 hab.
Área Total (Ano): 
1.579,00 km²
O Tâmisa era um rio biologicamente morto que reviveu em menos de 50 anos. O investimento e a tecnologia necessários não foram poupados nesse trabalho de quase três gerações.

Descrição:

Rios em todo o mundo foram contaminados e poluídos pelo crescimento desenfreado das cidades e pela industrialização sem bases sustentáveis. 

O processo de despoluição do rio Tâmisa, que corta a cidade de Londres, é um exemplo que deve ser seguido por todas as cidades que sofrem com o mesmo problema de terem seus rios poluídos.

Com o investimento e a tecnologia adequados, o rio Tâmisa que estava biologicamente morto e reviveu em menos de 50 anos. 

No século 19, o rio era conhecido como “O Grande Mau Cheiro” e doenças de veiculação hídrica e até mesmo cólera eram bastante comuns.

O primeiro passo foi a construção de um sistema de captação de esgoto, porém esta solução não foi suficiente com o crescimento da população. Desde então, o número de estações de tratamento de esgoto foram ampliadas.

Atualmente, a empresa de saneamento de Londres continua a investir na infraestrutura. Dois barcos percorrem o Tâmisa de segunda a sexta e retiram 30 toneladas de lixo por dia. Todos os detritos são coletados por grades instaladas na proa e por esteiras que varrem o leito do rio. Câmeras de vídeo, radares e sonares informam a localização do lixo.

Hoje, existem 125 espécies de peixes no Tâmisa e mais de 400 espécies de invertebrados.

Mesmo com os sinais de que a revitalização das águas do Tâmisa deu certo, a Thames Water, empresa de saneamento londrina, mantém um alto investimento no tratamento da água e no sistema de esgotos.
A guerra contra a poluição deve ser constante. A reforma das estações de tratamento, fiscalização de despejo, tratamento de todo material orgânico e inorgânico e consertos de encanamentos mal feitos, devem ser constantemente avaliados e refeitos.
O grande mérito para a execução desse projeto foi a percepção, pela população, de que o rio é fundamental para a vida na cidade.

Cronograma:

-1957: O rio foi decretado biologicamente morto.

-1958: O governo geral da Inglaterra e as prefeituras das cidades ao longo do rio começaram a implantar ações coordenadas para acabar com a poluição. 

- Na década de 70, os sinais iniciais de que os resultados estavam sendo alcançados apareceram. 

- 1980: Construção da Barragem do Tâmisa para diminuir enchentes.

Metodologia:

A construção de um sistema de captação de esgoto que foi ampliado e aperfeiçoado com mais estações de tratamento no decorrer dos anos.

Uma legislação ambiental rígida obrigou as fábricas a eliminar o despejo de poluentes.

O problema recorrente das enchentes foi resolvido em 1980 com a construção da Barragem do Tâmisa.
Trechos de concreto que impermeabilizavam as margens foram retirados pela Agência de Meio Ambiente, responsável pelo manejo do rio. Assim, abriu-se espaço para solos de lama e mais habitats para vida selvagem.

Para contornar as emergências, a Agência do Meio Ambiente possui oito estações de monitoramento na Grande Londres, que vigiam a quantidade de oxigênio disponível nas águas durante as 24 horas do dia. Se o nível cai, embarcações vão até o ponto indicado e injetam oxigênio ali. 

No entanto, a solução em longo prazo deve ser a de substituir o antigo sistema de esgoto, construído ainda na época vitoriana, por um moderno sistema que não permite esgoto no rio.

Resultados:

- Na década de 70 começaram a reaparecer algumas espécies de peixes que são sensíveis à poluição e necessitam de água limpa para viverem;

- O rio foi transformado em um ecossistema próspero. Atualmente existem 125 espécies de peixes, incluindo o retorno da truta do mar e mais de 400 espécies de invertebrados;

- Pássaros, como a garça e o martim-pescador, e mamíferos, como a lontra, são avistados novamente;

- Depois da despoluição o rio voltou a atrair os esportes náuticos;

- O renascimento rendeu o prêmio International eiss River Prize, concedido pela organização International Riversymposium, em 2010;

Instituições envolvidas:

Prefeitura de Londres

Thames Water, empresa de saneamento londrina

Fontes:

Thames 21

Despoluição do Rio Tâmisa

Despoluição de rios

O caso Tâmisa

Thames tideway Tunnels

Estuário do Tamisa 2100

12
última modificação: sex, 27/03/2015 - 16:43

Comentários