Início > Boas Praticas > O programa “Microgarden” desenvolvido em Dakar amplia a qualidade de vida da população por meio da alimentação saudável e geração de renda com a produção de alimentos

O programa “Microgarden” desenvolvido em Dakar amplia a qualidade de vida da população por meio da alimentação saudável e geração de renda com a produção de alimentos

Dakar

Continente: 
África
País: 
Senegal
População (Ano): 
3.215.255 hab.
Ano População: 
2011
O projeto de mini-hortas urbanas na cidade de Dakar, no Senegal, auxilia na redução da pobreza e melhora a oferta de alimentos para a população por meio da integração de técnicas de produção hortícola, aproveitamento de águas pluviais e gestão dos resíduos domésticos.

Descrição

A agricultura urbana e periurbana é uma alternativa para solucionar problemas causados pelo êxodo rural ou pela pressão sobre os espaços agrícolas devido ao grande crescimento das áreas urbanas. Essa nova forma de cultivo em áreas urbanas fornece quantidades significativas de alimentos e pode preencher em até 60% as necessidades nutricionais de uma família e, com isso, permitir que a mesma aplique sua renda em outras despesas como educação e saúde.

O projeto de microjardim teve início no Senegal no ano de 1999 com a parceria entre a Food and Agriculture Organization (FAO)- pelo Programa de Horticultura Urbana e Periurbana- e o governo Senegalês. O objetivo foi introduzir novas tecnologias para a produção hortícola em locais pequenos como quintais, telhados ou outros lugares vagos e implantar centros de jardinagem em comunidades de baixa renda. Em 2004 o projeto tornou-se um programa e, em 2008, ganhou o prêmio Dubai da ONU-HABITAT de Boas Práticas para Melhorar as Condições de Vida. 

A novidade tecnológica implantada nesse programa diz respeito ao tipo de substrato utilizado para o crescimento das plantas, ao pequeno espaço necessário para o plantio e à forma ecológica para a captação da água utilizada na rega. Tudo isso é ensinado aos interessados em oficinas gratuitas oferecidas pelo governo e por técnicos da FAO.

As plantas crescem em pequenos espaços cobertos por um composto de resíduos agrícolas reutilizados, como cascas de amendoim e palhas de arroz. Como os insumos são trazidos da produção agrícola nacional, eles são baratos e de fácil acesso. A compostagem doméstica é uma das técnicas aprendidas pelos horticultores e a produção do adubo orgânico é uma opção alternativa e ecológica aos fertilizantes químicos de alto custo. Pragas são controladas por meios não químicos, incluindo redes à prova de insetos e o plantio conjunto com ervas aromáticas como manjericão, salsa e hortelã, que naturalmente repelem insetos.

Em relação à água, técnicas baratas e eficientes de captação e irrigação por gotejamento são ensinadas no curso. Além disso, o tratamento adequado de águas residuais para reutilização agrícola (que podem fornecer a maior parte dos nutrientes necessários para o cultivo) é ensinado nas capacitações dos horticultores. Em um metro quadrado é possível produzir em média 40 a 50 Kg de legumes por ano, o suficiente para satisfazer as necessidades familiares e proporcionar um excedente para a venda. 

Os produtos dos microjardins são divulgados em programas de televisão e pelo Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITA), que emite um certificado de análise vegetal com o objetivo de criar um rótulo para os produtos dos microjardineiros. Esses produtos já são comercializados em diversos pontos de vendas em outras capitais regionais.

O programa também visa criar cidades mais verdes, para que enfrentem de uma melhor maneira os desafios sociais e ambientais, de forma que alcancem uma melhor gestão dos resíduos urbanos com criação de empregos e desenvolvimento comunitário. Como se trata de um programa com apoio governamental, é adotado por todas as categorias sociais e mais de cinco mil famílias foram capacitadas para trabalhar com hortas urbanas em Dakar e nas cidades próximas.

Um resultado importante dsse programa é a forte participação das mulheres que antes estavam restritas a atribuições domésticas. Outro desdobramento é o projeto de microjardim no Fann Hospital de Dakar, na ala de doenças infecciosas, desde o início de 2004, com o foco na inclusão social.

 

Metodologia

Disseminação da técnica de microjardins, ou seja, do cultivo de diversos vegetais em pequenos espaços com alta produtividade e que pode ser facilmente gerenciada. 

Essa técnica é promovida pela FAO por meio de cursos e oficinas nas periferias de cidades em desenvolvimento e em áreas densamente povoadas para a intensificação da jardinagem sustentável.

Atividades e resultados da primeira fase do projeto deram origem à parceria entre o Programa de Cooperação Itália / FAO Descentralizada e a Prefeitura de Milão prevista para o período de 2010 a 2012. Assim, a segunda fase foi concebida de forma a garantir a sustentabilidade dos resultados obtidos na primeira fase e expansão para outros países .

O projeto estabeleceu centros de formação e de demonstração, com isso foi possível permitir que as pessoas passassem a adquirir insumos e comercializassem o excedente. 

 

Objetivos

- Ampliar a oferta de alimentos saudáveis para a população de baixa renda e, com isso, melhorar a nutrição dessas famílias;

- Contribuir para a geração de renda e redução da pobreza através da venda do excedente da produção dos alimentos;

- Facilitar o acesso à produção hortícola urbana e periurbana para todos os habitantes da cidade;

- Estimular a criação de cidades mais verdes.


Cronograma

- 1999: Início do projeto no Senegal com a parceria entre a Food and Agriculture Organization (FAO)- através do Programa de Horticultura Urbana e Periurbana- e o governo Senegalês;

- 2004: O projeto tornou-se um programa;

- 2010-1012: parceria entre a FAO descentralizada da Itália/Italy Cooperative Programme e a Prefeitura de Milão.

 

Resultados

- Inovação nas tecnologias agrícolas;
- Expansão e acesso na produção de alimentos;
- Reciclagem de resíduos agrícolas;
- Diversificação na produção e consumo dos alimentos;
- Sustentabilidade na gestão da água;
- Em Dakar, mais de 5.000 famílias foram treinadas na tecnologia de microjardim;
- Oportunidade de emprego e ampliação do convívio social para cidadãos que antes viviam em um meio mais restritivo;
- Em 2008, ganhou o prêmio Dubai da ONU-HABITAT de Boas Práticas para Melhorar as Condições de Vida. 


Instituições Envolvidas

Food and Agriculture Organization (FAO)
Governo Senegalês
Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITA)


Fontes

http://www.fao.org/ag/agp/greenercities/en/projects/index.html

http://www.usuds.org/web/ktc-malaga/-/other-cases-microgarden-mlg01

http://www.irinnews.org/report/56335/senegal-a-small-solution-to-a-big-p...

http://www.ruaf.org/sites/default/files/UAmagazine%2019%20H11.pdf

http://www.fao.org/climatechange/climatesmartpub/66250/en/ http://www.oeco.org.br/noticias/25980-senegal-horta-urbana-pode-substitu...

http://www.fao.org/ag/agp/greenercities/pdf/FS/UPH-FS-6.pdf

www.fao.org/ag/agp/greenercities/

http://www.fao.org/ag/agp/greenercities/en/whyuph/foodsecurity.html

http://www.fao.org/tc/faoitaly/projects-detail/it/c/134995/

http://www.fao.org/ag/agp/greenercities/pdf/UPH-approach.pdf

http://www.fundacionhabitatcolombia.org/25/18.html


Contato

email: [email protected]

 

 

36
última modificação: qua, 06/08/2014 - 17:48