Início > Boas Praticas > Planejamento Urbano Participativo é destaque em Auckland, Nova Zelândia

Planejamento Urbano Participativo é destaque em Auckland, Nova Zelândia

#689071

Auckland

Continente: 
Oceania
País: 
Nova Zelândia
População (Ano): 
1.397.300 hab.
Ano População: 
2012
Área Total (Ano): 
482,90 km²
Pela primeira vez na Nova Zelândia o processo de planejamento reuniu análise de dados e sugestões dos cidadãos sobre questões ambientais, econômicas, políticas, humanas, sociais, culturais e outras para pensar e planejar a cidade de maneira participativa e integrada.

Descrição

Em até 30 anos, 75% dos empreendimentos residenciais de Auckland estarão nos limites metropolitanos. Isso porque a cidade terá que abrigar mais de um milhão de pessoas. Esta é a principal razão pela qual a prefeitura decidiu iniciar o "Plano de Auckland" por meio de um processo de participação buscando encontrar soluções para esta situação e transformar Auckland na cidade mais “habitável” do mundo em 2040.

O objetivo foi levantar ideias e definir prioridades junto com os cidadãos para o futuro da cidade para desenvolver e implementar o "Plano de Auckland", um plano estratégico para trinta anos. Auckland é a maior cidade da Nova Zelândia e a região mais populosa, com 1.397.300 (2012) habitantes e mais de 30% da população do país.

Pela primeira vez na Nova Zelândia, o processo reuniu análise de dados e sugestões dos cidadãos sobre questões ambientais, econômicas, políticas, humanas, sociais, culturais e outras para pensar e planejar a cidade de maneira participativa e integrada. Em um encontro (Auckland Unleashed Summit), os cidadãos puderam deliberar e definir as prioridades para o plano de acordo com os seus interesses e preocupações.

Atualmente, Auckland já é considerada uma das cidades mais “habitáveis” ​​do mundo. Segundo o “2013 Economist Intelligence Unit's (EIU) Global Livability Index" (Indice de cidade habitáveis da Unidade de Inteligencia de Economist), Auckland está em décimo lugar.

Metodologia

Priorizando a comunicação, a prefeitura incentivou a divulgação do projeto em comércios, mercados, centros comunitários e outros locais da cidade em diferentes regiões. O objetivo era garantir a representatividade. Além disso, o processo foi divulgado pelos meios de comunicação de massa e pela internet.

Guias para os participantes com informações foram distribuídos antes da cúpula na revista OurAuckland, uma publicação oficial entregue mensalmente para cerca de 500 mil casas em toda a região. A revista também está disponível nas bibliotecas locais, centros comunitários e escritórios da prefeitura.

A seleção dos participantes foi aberta a todos os moradores de Auckland. Além disso, o Escritório de Assuntos Étnicos apoiou o processo e encorajou a todas as comunidades para participar.

O inicio do processo foi em 2011 durante um encontro que contou com cerca de 500 participantes para discutir o futuro de Auckland. As oficinas foram facilitadas, e o feedback das sessões foi resumido em um documento de discussão para ajudar a preparar o projeto do Plano de Auckland.

Por meio de quatro planos diferentes, foram identificadas diversas prioridades para o desenvolvimento de Auckland para torná-la a cidade mais habitável do mundo até 2040. Estes planos são: o Plano de Auckland, a estratégia de desenvolvimento econômico, o Plano Diretor da cidade e o plano marítimo. Todos os documentos foram traduzidos para Maori, chinês, coreano, Samoa e Tonga.

Todos os comentários da consulta pública realizada entre setembro e outubro de 2011 foram publicados com o nome e endereço do autor. O processo contou com a participação de mais de 2500 pessoas.

O monitoramento efetivo e os processos de avaliação claros foram fundamentais para o sucesso da implementação do Plano de Auckland.

O Plano apresenta um conjunto de metas mensuráveis ​​específicas em cada linha estratégica. A previsão é que a cada três anos seja realizado e disponibilizado publicamente um relatório de “Medição dos progressos”.

As principais críticas que o processo recebeu foram em relação ao tempo destinado à participação cidadã. Devido à complexidade do plano, alguns setores consideram que os cidadãos precisavam mais tempo para assimilar os conceitos devidamente e poder fazer contribuições.

Objetivos

- Tornar Auckland a cidade mais habitável do mundo até 2040.

Cronograma

- 2011: Início do processo com um encontro de um dia inteiro com cerca de 500 participantes para discutir o futuro de Auckland;

- Entre março e agosto de 2011 foram realizadas reuniões e audiências públicas;

- Em junho de 2011 houve o primeiro esboço do Plano de Auckland construído pela Prefeitura, após as audiências nos conselhos locais, agências governamentais e outras organizações interessadas;

- Entre Setembro e Outubro de 2011 o Plano de Auckland foi aberto para consulta pública;

- Em dezembro de 2012 o plano foi finalizado;

- Em fevereiro de 2013 o plano foi aprovado.

Resultados

- Todos os comentários da consulta pública realizada entre setembro e outubro de 2011 foram publicados com o nome e endereço do autor. O processo contou com a participação de mais de 2500 pessoas;

- Pela primeira vez na Nova Zelândia, o processo realizado reuniu análise de dados e sugestões dos cidadãos sobre questões ambientais, econômicas, políticas, humanas, sociais, culturais e outras para pensar e planejar a cidade de maneira participativa e integrada;

- Os cidadãos tiveram a possibilidade de influenciar diretamente as políticas públicas com um impacto grande nas suas vidas nos próximos 30 anos, em relação a emprego, transporte público, habitação, educação e outras.

- Algumas das metas estabelecidas pela prefeitura no Plano de Auckland:

Dobrar o transporte público, de 70 M de viagens em 2012 para 140 M de viagens até 2022

Reduzir os acidentes de trânsito de 506 (2010) para menos de 410 em 2020

Reduzir o consumo per capita de água em 15% até 2025

Conseguir o Status de Patrimônio Mundial da UNESCO para a área vulcânica de Auckland

Reduzir os poluentes no ar em 50% em 2016 (baseado nos niveis de 2006) para atingir os padrões internacionais 

Reduzir as emissões de CO2 em 10% até 2020 (níveis 1990)

Reduzir as emissões de CO2 em 40% até 2040 (níveis 1990)

Reduzir as emissões de CO2 em 50% até 2050 (níveis 1990)

Aumentar o número de moradores de Auckland ativamente envolvidos nas artes de 48% em 2010 até 75% até 2040

Aumentar o número de pessoas empregadas no setor criativo de 26900 em 2007 para 45000 até 2040

Aumentar o número de residentes que falam mais de uma língua de 25% em 2006 para 50% até 2040

Aumentar o número de moradores de Auckland que realizam atividade física toda semana de 79% para 90% até 2040

Realizar Retrofit de 40 % das moradias em Auckland que precisam de Retrofit até 2030

Instituições envolvidas

- Prefeitura de Auckland 

Fontes

http://participedia.net/en/cases/auckland-participatory-urban-planning-a...

http://www.chapmantripp.com/publications/Pages/More-plans-for-Auckland.aspx

http://www.nzherald.co.nz/nz/news/article.cfm?c_id=1&objectid=10714443

http://www.aucklandcouncil.govt.nz/EN/Pages/default.aspxo

The Auckland Plan (O Plano de Aukland)

The Auckland Plan - did you know? 

Transport management for Auckland

http://auckland2040.org.nz/

Galeria de Imagens: 
13
última modificação: qui, 12/12/2013 - 11:54