Início > Boas Praticas > Plano Carbono Zero

Plano Carbono Zero

Évora

Continente: 
Europa
País: 
Portugal
População (Ano): 
56.596 hab.
Ano População: 
2011
A cidade de Évora, em Portugal, fez um pacto para reduzir em 20% as emissões de gases de efeito estufa (per capita) até 2020.

Descrição:

O município de Évora subscreveu em 2011 o pacto proposto pelos Estados que compõem a União Europeia. Neste pacto, os integrantes comprometeram-se com a redução de 20% nas emissões de gases de efeito estufa até 2020.

Conscientes da importância da participação dos municípios a Comissão Europeia criou o Pacto de Autarcas, no qual os municípios se comprometem localmente na redução da emissão desses gases. 

Para dar andamento ao compromisso assumido, a Câmara Municipal de Évora, aprovou em 2012 o Plano de Ação para a Energia Sustentável (PAES).

Na época, o município já passava por uma crise energética significativa, o que elevou bastante os custos do consumo de energia. Esse fato fez com que o PAES ultrapassasse as questões ambientais e reforçasse a necessidade de adoção de medidas que tornassem mais eficientes os consumos energéticos.

Com este cenário, o plano tornou-se mais abrangente, pois integra ações que visam à redução das emissões de gases de efeito estufa e também ações, que mesmo não estando diretamente ligadas aos gases de efeito estufa, otimizam os aspetos financeiros da aquisição e utilização de energia, permitindo a liberação de recursos para outras áreas.

Estão contemplados no plano os setores de edifícios, de iluminação pública, de transportes e dos resíduos, distinguindo-se as ações destinadas à população das ações exclusivamente destinadas ao poder municipal.

O PAES inclui um Inventário de Referência das Emissões de Gases para o ano de referência (2009) além das descrições das medidas que permitirão atingir a meta de redução de 20% das emissões de CO2.

O Plano aborda o consumo direto de energia sob as suas várias formas e também engloba a emissão de gases advinda dos resíduos sólidos urbanos, que existem numa quantidade muito significativa.

O PAES visa rever a tendência crescente de consumo energético e produção de resíduos. Para isso, propõe um aumento na eficiência energética, ou seja, eliminar ou reduzir significativamente o consumo de energia e os maus hábitos na sua utilização. 

Visando o andamento dos quatro eixos abordados no PAES (resíduos, setor de edifícios, transportes e iluminação pública), o município de Évora já iniciou diversas ações para alcançar o objetivo de redução de emissão de gases até 2020. 

Entre as ações em andamento destacam-se os projetos relacionados aos resíduos. Entre eles existem o projeto de compostagem municipal, disponibilidade de ecopontos e uma ampla explicação, disponível no site da Câmara Municipal, relativa ao descarte correto dos resíduos sólidos. Além disso, destacam-se também no site da Câmara Municipal, as instruções para Ecogestos no trabalho, na rua e em casa. Essas instruções visam à eficiência energética e o melhor convívio no município.

Os serviços de iluminação também merecem destaque. Évora foi a primeira metrópole portuguesa a receber um projeto nacional dedicado, a rede inteligente de energia. Em 2014 foi inaugurado um parque solar com tecnologia fotovoltaica em cima de um antigo aterro sanitário. 

Objetivo:

Reduzir em 20% as emissões de gases de efeito estufa, per capita, até 2020.

O caminho para se atingir esta meta é o do aumento da eficácia no uso da energia. Preconiza-se no Plano de Ação de Energia Sustentável de Évora um conjunto de ações que visam esse aumento de eficiência, permitindo manter o bem-estar da população.

Metodologia:

- Elaborar um inventário de referência das emissões.

- Elaborar um Plano de Ação de Sustentabilidade Energética (2012-2020).

- Implantar as ações previstas no PAES.

Resultados:

- Aprovação do Plano de Ação de Sustentabilidade Energética, em reunião da Câmara Municipal de Évora, em 22 de fevereiro de 2012.

- O Pacto de Autarcas conta com mais de 2900 signatários, incluindo cerca de 70 municípios portugueses. Évora aderiu ao convenio em 17 de Fevereiro de 2011.

- Elaboração de diversos projetos de conscientização, no ambito municipal, para redução do consumo.

- Implantação do parque fotovoltaico para captação da energia solar em cima de área de antigo aterro. Isso possibilitou a readequação dessa área antes degradada.

- Primeira cidade portuguesa com uma rede inteligente de energia elétrica. Foram instalados Reguladores de Fluxo em 24 Postos de Transformação de Iluminação Pública, abrangendo 2.752 luminárias. Isso gerou a redução de 446 mil KWh no consumo de energia, ou seja cerca de 24% de poupança nas 24 redes reguladas. Além da diminuição dos custos em manutenção e troca de lâmpadas.

Fontes:

Câmara Municipal

Smartcity

PAES

EDP distribuição

InovCity

Parque Fotovoltaico

12
última modificação: sex, 13/03/2015 - 18:01

Comentários