Início > Noticias > Metas de Crivella, no Rio, ficam só no papel após um ano de administração

Metas de Crivella, no Rio, ficam só no papel após um ano de administração

FOLHA DE S. PAULO

O prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) definiu o primeiro ano de sua gestão como a "transposição de um campo minado".

Eleito no segundo turno com 59,36 % dos votos validos, o bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus passou 2017 reclamando da crise financeira creditada a Eduardo Paes e sem conseguir tirar do papel seus planos para o Rio. 

"Achávamos, como muitos, que Rio era um oásis no caos que assolava o Estado e o país. Na transição, depois na posse, descobrimos não só um esqueleto dentro do armário, mas um cemitério inteiro da Consolação ou do Caju", disse o prefeito, culpando a gestão do seu antecessor.

"A administração passada viveu a fartura do sonho olímpico e deixou o pesadelo de R$ 4 bilhões de déficit no orçamento", completou. Segundo opositores, Crivella "titubeia demais" e é cercado por "um secretariado fraco".

Neste período, Crivella travou disputas com empresários, servidores e políticos. Ele também reduziu investimentos para, segundo o prefeito, tentar evitar atrasos de salários de servidores.

Em dezembro, Crivella deu mais um mostra que as finanças cariocas não estão tão bem. Ele decidiu mudar o calendário de pagamentos dos servidores do município. Os salários de dezembro só serão pagos no sétimo dia útil de janeiro. A decisão alterou uma tradição da prefeitura, que fazia os depósitos até o segundo dia útil do mês.

A rede de saúde pública da cidade está em crise. No segundo semestre de 2017, os hospitais do município sofreram com falta de profissionais, insumos e até mesmo com problemas de limpeza. Hospitais de emergência estão cancelando cirurgias e consultas, leitos de UTI estão fechados e equipamentos médicos quebrados. 

O prefeito está em conflito com as OSs (Organizações sociais) escolhidas para prestar serviços na área da saúde. "Temos que reconhecer que o prefeito herdou muitos problemas. 91 Escolas e 33 clínicas foram inauguradas no ano passado [2016] sem ter seus gastos de quase R$ 600 milhões previstos no orçamento. Mas ele poderia ser mais hábil administrativamente. Ele deixou faltar remédio na rede ao contingenciar a verba da saúde", afirmou o deputado Paulo Pinheiro (PSOL).

O Rio deveria fechar o ano de 2017 com um arrecadação de R$ 26 bilhões, cerca de 10% a menos que o orçamento aprovado previa. Na madrugada de 22 de dezembro, os vereadores aprovaram o Orçamento de 2018. Nele, a prefeitura pretende arrecadar R$ 29,7 bilhões. A oposição, porém, afirma que o valor é irreal.

Na noite anterior (21), Crivella teve uma boa notícia com a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) de manter o aumento do ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis) e do IPTU. "Só aumentar tributos é um absurdo num momento de crise", lamentou a vereadora Teresa Bergher (PSDB), que foi secretária do prefeito, mas deixou o cargo após se recusar a votar pelo aumento do IPTU.

AVALIAÇÃO

Crivella tem um estilo discreto e é visto pouco badalando pela cidade. Em outubro, a gestão dele foi considerada ruim ou péssima por 40% dos entrevistados, de acordo com pesquisa Datafolha.

Apenas 16 % dos entrevistados aprovaram o prefeito-taxa dos que consideram sua administração ótima ou boa.

Apesar de não empolgar o carioca, Crivella faz um balanço positivo do seu primeiro ano de gestão à frente da Prefeitura do Rio. "Muita coisa ainda precisa melhorar, é claro. Mas tivemos avanços significativos em todas as áreas", disse o prefeito. "[O principal objetivo em 2018 é] Continuar cuidando das pessoas, principalmente das que mais precisam", acrescentou.

Matéria publicada na Folha de S. Paulo.