Início > Noticias > Em Xangai, Doria visita rio despoluído

Em Xangai, Doria visita rio despoluído

Em dez anos, governo chinês investiu R$ 7 bilhões e renovou o Suzhou

Bruno Ribeiro, Enviado especial - O Estado de S. Paulo.

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), em visita oficial à China, teve nesta quarta-feira, 26, uma aula de meio ambiente. Ele foi ao parque Mteng Qinq (em chinês, sonho limpo), para conhecer detalhes de um dos feitos mais impressionantes dos chineses: a despoluição do Rio Suzhou, realizada entre 1988 e 2008.

Foi um projeto de R$ 7 bilhões. Para salvar o rio, o segredo foi cuidar do entorno do Suzhou. Suas margens tinham 3 mil fábricas, que eram, até então, o motor da economia de Xangai, a maior cidade da China. 

“Todas foram transferidas para um parque industrial, a 50 quilômetros de distância, onde uma rede de tratamento e coleta de esgoto já estava preparada”, conta o vice-presidente da Autoridade de Águas de Xangai, Zhu Shiqin, que apresentou o projeto a Doria. 

No grande vazio deixado pelas fábricas, o governo fez obras para impedir o descarte de esgoto e, depois, um novo parque, para proteger as margens. “Conforme as estações de tratamento foram coletando o esgoto doméstico e as fábricas saíram, a água do rio melhorou e os peixes voltaram”, diz Shiqin.

E, então, houve a sacada: foi autorizada a construção de condomínios residenciais - com tratamento e coleta de esgoto -, o que disparou a valorização da área. Mais do que um projeto ambiental, a despoluição foi um empreendimento urbanístico, afirma Shiqin.

Tietê e Pinheiros

Comparar Suzhou dos Rios do Tiete e do Pinheiros é inevitável. Questionado sobre a demora de São Paulo em despolui-los, Doria procurou proteger seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin (PSDB). “Vejo sempre muito interesse do governador Alckmin em encontrar soluções para isso. E soluções exigem dinheiro e contrapartidas do governo do Estado.”

* O REPÓRTER ACOMPANHA A VIAGEM OFICIAL DO PREFEITO A CONVITE DA PREFEITURA DE XANGAI

Matéria publicada no jornal O Estado de S. Paulo.