Início > Boas Praticas > Cidade do México investe em mobilidade urbana

Cidade do México investe em mobilidade urbana

Cidade do México

Continente: 
América do Norte
País: 
México
População (Ano): 
8.800.000 hab.
A Cidade do México, com mais de 20 milhões de habitantes em sua área metropolitana, traçou metas para superar os desafios do caos urbano e tem investido em políticas de mobilidade sustentável na última década. Em julho de 2014, foi promulgada uma nova lei de mobilidade para a cidade e isto representa uma oportunidade para melhorar a qualidade de vida e ampliar as oportunidades para a população.

Descrição:

A Cidade do México, com mais de 20 milhões de habitantes em sua área metropolitana, traçou metas para superar os desafios do caos urbano e tem investido em políticas de mobilidade sustentável na última década.

A cidade tem alcançado progressos consideráveis, como:

-  A restrição do uso de carros particulares (Programa Hoy no Circula);

- A expansão das linhas do metrô;

- A adesão ao sistema BRT (com o apoio da Embarq México e em parceria com o governo criou-se um corredor de trânsito rápido em uma avenida que atravessa a cidade. Com esse sistema as emissões foram reduzidas, a mobilidade melhorou e os tempos de viagem também caíram); 

- A implantação do sistema de aluguel de bicicletas, dos corredores de emissões zero (corredores de trólebus de 203,64 km com conexão com o programa de bicicletas, sendo que a frota de veículos é de 290 trólebus, que operam em um ritmo médio de 4 minutos) e das vias pedonais.

Embora estas medidas tenham melhorado as opções de mobilidade sustentável e da qualidade do ar na cidade, ainda não são suficientes para cumprir as metas propostas. Por isso, em 14 julho de 2014 foi promulgada uma nova lei de mobilidade para a Cidade do México. Esta lei representa uma oportunidade para melhorar a qualidade de vida e ampliar as oportunidades para os moradores da cidade. A Lei é focada no ser humano e com isso a Cidade do México está próxima de se tornar líder na política de mobilidade urbana.

Para começar, a legislação altera a nomenclatura do Ministério dos Transportes e Rodovias (Setravi) para Departamento de Mobilidade. Este Departamento vai emitir uma nova regulamentação do tráfego nos próximos 180 dias, a fim de promover uma nova cultura de segurança rodoviária e de convivência.

A ordem de prioridade estabelecida pela lei é: pedestres, ciclistas, usuários de transporte público, prestadores de transportes públicos, prestadores de serviços de transporte de mercadorias e usuários de transporte privado. Essa hierarquia prioriza os pedestres desde o planejamento até a dotação orçamentária. Ou seja, quando políticas para pedestres como a promoção das ruas pedonais, com segurança e infraestrutura, além da ampliação no programa de bicicletas, forem avaliadas, terão prioridades na distribuição de recursos e no desenvolvimento de políticas públicas.

A lei cria um Conselho Consultivo de Transportes e Segurança Rodoviária, para "estimular a participação dos cidadãos no desenvolvimento, concepção e avaliação de atividades nesta área”.  

Para promover a utilização das bicicletas esta lei prevê a articulação de um Sistema Único de Transporte, tanto de bicicleta quanto de serviços.

Outra mudança importante é a consolidação de um órgão regulador para os diversos tipos de transporte de massa, para que ocorra uma maior coesão aos sistemas de transporte na cidade. Este órgão deve estar instalado e funcionando a partir de janeiro de 2015.

Dessa forma, a lei vai proteger o direito dos cidadãos ao transporte público de qualidade. A partir do momento em que houver uma comunicação entre os operadores de metrô, ônibus e BRT, a transferência dos usuários portadores de necessidades especiais será facilitada para que cheguem ao seu destino, ou seja, o transporte público se tornará mais eficiente, seguro e inclusivo.

O órgão regulador também vai estabelecer e fazer cumprir normas de qualidade, segurança e pontualidade dos serviços de transporte.

Por fim, a lei coloca ênfase na capacidade de resistência a eventos climáticos extremos, sustentando que o sistema de mobilidade deve ser capaz de responder de forma rápida, eficiente e com pouco ou nenhum custo para o cidadão em caso de uma interrupção. 

Nos últimos anos, as alterações climáticas têm aumentado o risco  de inundações e deslizamentos de terra na Cidade do México, ameaçando danos à infraestrutura, prejudicando a vida dos moradores, e causando perdas econômicas. Um sistema de mobilidade mais resistente vai ajudar a Cidade do México responder a estes desafios, enfatizando os transportes públicos e não motorizados. Também irá reduzir a sua contribuição para as alterações climáticas através da redução de gases de efeito estufa (GEE).

 

Objetivos:

• Superar os desafios do caos urbano e tornar a cidade mais humana;
• Criar mecanismos de resistência para os eventos climáticos extremos;
• Contribuir para a redução de emissões de gases de efeito estufa por meio da adoção de medidas para uma mobilidade sustentável.

Metodologia:

Investimento nos últimos dez anos em prol das políticas focadas na mobilidade sustentável, entre elas a restrição de uso de carros particulares, expansão das linhas de metrô, criação de linhas de BRT, sistema público de aluguel de bicicletas, além da promoção da segurança dos pedestres por meio da criação de vias pedonais.

Resultados:

• 2010: Instituição do programa de aluguel de bicicletas públicas, ECOBICI. Em sua implantação possuía 85 estações distribuídas pela cidade. Em 2014, conta com 273 estações;
• 2013: Cidade do México foi a vencedora do Prêmio 2013 de Transporte Sustentável , pelo Institute for Transportation & Development Policy (ITDP). O prêmio é destinado a mostrar paisagens urbanas mais habitáveis ​​e, em última análise, um futuro urbano mais sustentável; 
• 2014: Promulgação da nova lei de mobilidade. Esta lei garante o direito à mobilidade, o que implica em deixar de avaliar essa questão como um problema de estradas e transportes e passa a considera-la um direito dos cidadãos.

Fontes:

Seis beneficios de la nueva Ley de Movilidad del DF

New mobility law in Mexico City to catalyze safe, sustainable transport

Mexico City’s new mobility law shifts focus towards people, not cars

Cidade do México - sucesso na Gestão Ambiental

Ecobici

Ceda el paso al peatón: La nueva Ley de Movilidad 'cambia la ruta' del DF

38
última modificação: qui, 13/11/2014 - 17:26

Comentários

ja no de manaus adotada um sistema igual