Início > Boas Praticas > Educação ambiental usa Árvores Nativas em Florianópolis

Educação ambiental usa Árvores Nativas em Florianópolis

Florianópolis

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
SC
População (Ano): 
421.240 hab.
Ano População: 
2010
Área Total (Ano): 
674,84 km²
Ano Área Total: 
2010
Alunos da rede municipal recebem projeto 50 Árvores Nativas de Floripa
O projeto Árvores Nativas de Floripa realizou a identificação e seleção de 50 espécies de Florianópolis, que passaram por um processo de coleta de sementes, produção de mudas e plantio pelas ruas da capital, praças e escolas da rede municipal. Além do mapeamento, foi produzido material educativo com o objetivo de promover a conscientização sobre a importância da diversidade nativa e popularizar as espécies locais entre os habitantes da cidade.

Descrição:

Apesar da destruição de florestas nativas ter diminuído nas últimas décadas, relatório da FAO (Food and Agriculture Organization) indica que apenas entre 2010 e 2015, cerca de 6,5 milhões de hectares de mata original foram retirados do território, sendo o Brasil o país responsável pela maior taxa de perda do mundo.

Mais adaptadas ao clima e solo locais, as espécies nativas foram expostas às condições da região por centenas de anos até a ocupação humana, facilitando seu crescimento e resistência a fatores externos negativos, como chuvas, insetos e outros animais. Outras contribuições das plantas nativas se dão na conservação do ar, do solo e do microclima local, visto que o gás carbônico é absorvido por estas espécies em uma maior quantidade do que naquelas que não possuem características compatíveis com a região.

Considerando a importância das espécies nativas para a conservação de ecossistemas e sua biodiversidade, a Prefeitura de Florianópolis, por meio da Fundação Municipal do Meio Ambiente (FLORAM), desenvolveu o Projeto 50 Árvores Nativas de Floripa. Especialmente nas cidades, as nativas desenvolvem um importante papel no combate à poluição, na interceptação da água das chuvas e redução de ruídos, além de promoverem o bem estar psicológico e físico da população.

Entre as metas específicas do ODS 15 – Vida Terrestre, a proteção das vegetações locais se atendem ao objetivo de proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerindo de forma sustentável as florestas, combatendo a desertificação, a degradação da terra e a perda de biodiversidade. A legislação brasileira tem no Estatuto da Cidade a previsão da função social do ambiente natural na promoção do bem-estar e equilíbrio ambiental e, localmente, o Plano Diretor da cidade de Florianópolis reforça a importância da arborização com espécies nativas.

Especificamente no tocante às exóticas não-nativas, que na região se destacam como exemplos os eucaliptos, casuarinas e pinheiros, a Lei Municipal 9.097/2012 determinou a remoção e a substituição de árvores exóticas por espécies nativas até 2022. No lugar devem surgir no horizonte da cidade Quaresmeiras, Araçazeiros, Pitangueiras, Ipês-amarelo, Grumixamas, Manduiranas e muitos outros. Essa legislação embasou o projeto de arborização planejada da cidade, desenvolvido de forma integrada à pavimentação e calçamento das ruas da cidade.

A primeira etapa do projeto se deu com a confecção de um inventário arbóreo, pesquisa que constatou que das 55 espécies existentes na cidade, menos de 10% eram nativas. O Programa Arvores Nativas de Florianópolis passou então a identificar as matrizes de espécies nativas existentes nas oito Unidades de Conservação (UC) sob gestão da Prefeitura e realizar seu mapeamento georreferenciado para posterior coleta de sementes e produção das mudas.

As mudas produzidas nos viveiros municipais passaram a ser plantadas nas ruas, parques, praças e outras áreas verdes da cidade, além de disponibilizadas à população. Além de disseminar o uso e conhecimento sobre as espécies de origem local, o projeto trabalha com o fortalecimento da identidade e história local. Escolas da cidade também receberam o projeto, que conta com atividades de educação ambiental para a nova geração da cidade.  

Atividades de educação ambiental complementam um mutirão dos alunos para o plantio das mudas, permitindo a participação dos jovens em todas as etapas do processo. O projeto realizou, junto aos estudantes, o georreferenciamento de cada muda plantada, gerando uma base de dados e um código associado às turmas escolares. O resultado será a construção de um mapa para visualizar localização e informação das mudas, além de quem as plantou.

Os professores também fizeram placas para identificar as espécies, onde consta o nome científico e popular, com um QR Code que fornece a localização geográfica e informações para celular, tablet ou computador. Além de compartilhar o conhecimento com suas famílias e amigos, esse trabalho de identificação visa deixar uma ligação entre os estudantes, a escola e o território da cidade.

Além de substituir exóticas por nativas, o Projeto prevê o incremento considerável de novas árvores na cidade um conjunto natural que ajude nas questões referentes ao calor, insolação, falta de abrigo para fauna, paisagem desarmonizada, falta de corredores ecológicos, falta de ruas com arborização didática, entre outros. No intuito de apresentar alternativas à participação da sociedade, a Prefeitura desenvolveu um site do projeto, materiais informativos e ações concretas para sua divulgação. 

 

Objetivo:

- Identificar o conjunto de arvores na área urbanizada da cidade e localizar as espécies exóticas, substituindo por nativas da Mata Atlântica;

- Produzir mudas das espécies selecionadas nos viveiros municipais e realizar seu plantio nas ruas da cidade, parques, praças e outras áreas verdes da cidade;

- Disponibilizar mudas de plantas nativas e engajar a população sobre sua importância;

- Incentivar a biodiversidade nas áreas urbanas, aumentando as condições de sobrevivência da fauna e  garantindo a continuidade do patrimônio genético vegetal e raízes culturais da região;

- Identificação e mapeamento georreferenciado de matrizes de nativas existentes nas unidades de conservação do município, a posterior coleta de sementes e produção das mudas;

 

Cronograma e Metodologia:

2012: Câmara de Vereadores da cidade aprova a Lei Municipal n° 9.097/2012, instituindo a Política Municipal de Remoção e Substituição de Pinus, Eucalyptus e Casuarina por espécies nativas no município de Florianópolis;

2014: Floram inicia o Inventário Arbóreo Urbano, para apurar a quantidade e as condições das árvores plantadas nas ruas da região central de Florianópolis;

2016: É divulgado o inventário das árvores existentes em vias públicas do centro de Florianópolis, com aproximadamente quatro mil exemplares de diferentes espécies. Na pesquisa fica clara a ausência de espécies nativas na região;

2017: A gestão inicia o plantio das espécies nativas na zona urbana da cidade, incluindo mutirões com a população e atividades com alunos da rede pública local;

 

Resultados:

- Aumento da qualidade de vida da população, com a disponibilidade de espaços públicos mais qualificados e interessantes na direção de uma cidade mais sustentável;

- Seleção, a partir de critérios paisagísticos e ecológicos, de 50 espécies nativas locais com potencial para plantio em calçadas, praças, parques e jardins residenciais;

- Produção das mudas dessas espécies no viveiro do Parque Municipal da Lagoa do Peri, que foram utilizadas para plantio e ações de educação ambiental;

- Sistema de monitoramento das árvores nativas plantadas em calçadas públicas e a sistematização das informações técnicas em banco de dados para a cidade;

- Produção de material educativo com o objetivo de divulgar e popularizar as espécies nativas, além de promover a participação social no desenvolvimento do projeto;

 

Instituições envolvidas:

Prefeitura de Florianópolis

Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram)

 

Contato:

Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram)

Rua Felipe Schmidt, nº1320 - 5° Andar - Centro

CEP: 88010-002

Telefone: (48) 3251-6500

Atendimento: Seg. à Sex. Das 12:00 às 18:00

 

Fontes:

Projeto Árvores Nativas de Floripa

Política Municipal de Remoção e Substituição de Pinus, Eucalyptus e Casuarina spp por espécies nativas no município de Florianópolis 

Plano Municipal da Mata Atlântica de Florianópolis

Plano Diretor de Urbanismo do Município de Florianópolis

Projeto de Planejamento Urbano Integrado de Florianópólis

Programa Municipal de Agricultura Urbana de Florianópolis

Estatuto da Cidade

Relatório de 2015 da FAO sobre Florestas Nativas no mundo

Galeria de Imagens: 
35
última modificação: qua, 15/05/2019 - 11:08