Início > Boas Praticas > Em Oslo, os resíduos alimentares e os dejetos dos esgotos tornam-se biogás e biofertilizantes

Em Oslo, os resíduos alimentares e os dejetos dos esgotos tornam-se biogás e biofertilizantes

Oslo

Continente: 
Europa
País: 
Noruega
População (Ano): 
634.293 hab.
Ano População: 
2014
Área Total (Ano): 
440,00 km²
Ano Área Total: 
2014
Em Oslo, capital da Noruega, o biogás é produzido a partir do esgoto e dos resíduos orgânicos provenientes das casas. Quando os resíduos são transformados em biogás, passam a ser utilizados como combustível nos transportes. O Biogás é neutro para o clima e já está sendo usado para abastecer mais de 100 veículos pesados, principalmente caminhões de lixo, e 87 ônibus.

Descrição: 

Em Oslo, na Noruega, um plano para melhorar a qualidade do ar está em vigor desde 2011, com metas de reduzir em 50% as emissões de gases de efeito estufa até 2030 e em 80% até 2050. Dentre as medidas desse plano estão anel de pedágio para os automóveis, rede cicloviária, promoção de combustíveis alternativos e veículos elétricos. 

A produção de biogás e seu uso no transporte permite reduzir as emissões de CO₂, tornando o ar de Oslo muito mais limpo. As emissões de CO₂ liberadas pela combustão do biogás já fazem parte do ciclo natural, ou seja, ao usa-lo evita-se nova adição de CO₂ na atmosfera. Além disso, diminui em 75% a emissão de óxidos de nitrogênio e reduz em 98% a emissão de material particulado (um dos poluentes mais nocivos para a saúde). Os veículos que utilizam o biogás apresentam cerca de 90% menos ruídos do que veículos que utilizam diesel. Por esses motivos, o biogás está entre os combustíveis mais ecologicamente corretos.

Em 2010, uma estação de tratamento de águas residuais foi inaugurada no distrito de Bekkelaget com a finalidade de produzir biogás. Essa estação produz biogás em quantidade suficiente para abastecer mais de 100 veículos pesados e trata o esgoto gerado por aproximadamente 40% da população da cidade. A lama residual que sobra da produção do biogás é utilizada como fertilizante agrícola, pois contém concentrações elevadas de diversos nutrientes, entre eles o fósforo.

Uma nova estação para a produção de biogás foi construída em Romerike, ao noroeste de Oslo. Inaugurada em dezembro de 2012, é a única usina de biogás e biofertilizantes na Europa que se baseia exclusivamente no desperdício de alimentos. A usina de Romerike tem capacidade para receber e reciclar 50 mil toneladas de resíduos alimentares por ano e produzir combustível suficiente para operar cerca de 135 ônibus e abastecer 100 fazendas de médio porte com biofertilizante no período de um ano. Ressalta-se que um ônibus pode circular um quilometro com biogás obtido a partir de dois quilos de alimento. Uma das razões que o município Oslo decidiu construir a usina de Romerike no município de Nes foi a proximidade com áreas agrícolas que podem se beneficiar com o biofertilizante. 

Objetivos:

•    Reduzir em 50% as emissões de gases de efeito estufa até 2030 e em 80% até 2050;
•    Converter o desperdício de alimentos a partir da produção de biogás e adubo orgânico;
•    Utilizar o biogás para abastecer os veículos;
•    Gerar e fornecer adubo orgânico para os agricultores. 

Metodologia:

Em 2010, uma unidade de biogás foi inaugurada na estação de tratamento de águas residuais Bekkelaget. Nessa estação, os dejetos advindos do esgoto são filtrados e em seguida são bombeados para grandes tanques que são digestores anaeróbicos, onde permanecem por 15 dias a uma temperatura de 55ºC. Depois disso, as impurezas são removidas e o biometano obtido neste processo é levado para um depósito onde é armazenado em containers menores que são transportados para as estações de abastecimento dos veículos.

Inaugurada em dezembro de 2012, a usina de Romerike é uma das mais modernas usinas de biogás da Europa. Recupera o desperdício de comida e o converte em biogás e biofertilizante. Foi construída sobre um aterro sanitário onde o gás do aterro é utilizado como fonte de energia para a usina.

Resultados:

•    A estação de Bekkelaget trata o esgoto de aproximadamente 40% da população de Oslo;
•    Em 2012, 3,98 milhões de biogás foram gerados. Destes, 78% foram purificados para produzir dois milhões de m³ de biometano (biogás melhorado), o equivalente a 2 milhões de litros de diesel em valor energético. Isso significa a economia  de aproximadamente 3.700 toneladas de CO2 que seriam liberadas na atmosfera por ano;
•    100 veículos pesados (principalmente caminhões de lixo) e 87 ônibus já estão utilizando o biogás como combustível. Com isso, as emissões de fuligem são 98% mais baixas, as emissões de óxido de nitrogênio 75% mais baixas e os níveis de ruído são cerca de 90% inferiores aos dos ônibus a diesel;
•    Economia de 3.700 toneladas de CO2 por ano;
•    A nova unidade de produção de biogás, em Romerike, produz combustível suficiente (cerca de 4,5 milhões Nm³) para operar anualmente 135 ônibus. Isso reduz as emissões de CO₂ em 5.400 toneladas por ano. Também fornece cerca de 90.000 toneladas de adubo orgânico, o suficiente para suprir a necessidade de 100 fazendas norueguesas;
•    85% das crianças em idade escolar vão a pé, de bicicleta ou usam o transporte público para ir à escola, e 88% da população tem fácil acesso ao sistema de transporte público;
•    Oslo tem o maior número de veículos elétricos em qualquer cidade do mundo (3357);
•    O projeto da usina de Romerike ganhou o Prêmio Inovação 2012, pelo Conselho da Noruega.

Fontes:

BEKKELAGET BIOGAS UPGRADING PLANT

OSLO GREEN CAPITAL

Finalists at the 2014 City Climate Leadership Awards

Waste and Energy Management, Oslo

Biogás e biofertilizante - O tratamento biológico de resíduos

The sewage adventure

Food waste becomes biogas and bio fertilizer

URBAN ECOLOGY PROGRAMME 2011-2026

Romerike biogassanlegg

14
última modificação: sex, 15/08/2014 - 16:27