Início > Boas Praticas > Feira Verde troca recicláveis por alimento em Imperatriz

Feira Verde troca recicláveis por alimento em Imperatriz

Imperatriz

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
MA
População (Ano): 
247.505 hab.
Ano População: 
2010
Área Total (Ano): 
1.367,00 km²
Ano Área Total: 
2010
O Programa Feira Verde é uma ação municipal de fomento direto da produção, comercialização e distribuição dos produtos hortifrutigranjeiros da agricultura familiar. Com a proposta de que materiais recicláveis sejam trocados por alimentos, a cada quatro quilos de materiais, os moradores levam para casa um quilo de verduras, frutas, ovos, leite ou mel. Por semana, são distribuídas cerca de 35 toneladas de alimentos, chegando a atender mais de 10 mil famílias por mês.

Descrição:

Com uma população de mais de 250 mil habitantes, Imperatriz produz uma média diária de 314 toneladas de resíduos sólidos, uma média per capita maior que a nacional quanto a produção de lixo. A partir da estimativa de que 28% desse volume são de recicláveis, a segunda maior cidade do Maranhão desenvolveu o projeto Feira Verde, onde lixo é trocado por comida. Além de melhorar o manejo e descarte dos resíduos, aumentando a reciclagem e reutilização de resíduos, a proposta do projeto é incentivar a comercialização de produtos da agricultura familiar e a prática de hábitos de consumo na cidade.

A implementação da coleta seletiva em Imperatriz partiu da obrigação prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos de apoio e fomento à atividade dos catadores de material reciclável, além de uma considerável demanda existente por materiais recicláveis. Surge-se então o projeto Imperatriz, a Gente Faz: Coleta Seletiva, que prevê a troca de materiais recicláveis levados pela população por verduras, frutas, ovos, leite ou mel produzidos localmente pela agricultura familiar.

Na proporção de quatro quilos de material reciclável por um quilo de alimento, as trocas são feitas em locais previamente estabelecidos na cidade, segundo uma agenda pública disponibilizada pela Prefeitura. Os resíduos que tem valor econômico são selecionados, reciclados ou reaproveitados pela Associação dos Catadores de Materiais Recicláveis de Imperatriz (ASCAMARI) e os demais rejeitos ganham destinação ambientalmente adequada.  

Para a efetivação do projeto, a gestão municipal teve como ferramentas de base o Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos e o Plano Municipal de Coleta Seletiva de Imperatriz. A atuação da ASCAMARI garantiu ainda que houvesse interação efetiva com a população, de modo que as melhorias nos serviços afetassem direta e positivamente a qualidade de vida dos mesmos. Ferramentas institucionais associadas a ações de educação ambiental tem garantido o êxito do projeto e reflexos positivos na comunidade, tanto pelo incremento na renda quanto a valorização da identidade da função do catador.

Desenvolvido pelo Núcleo de Educação Ambiental – NEA, no âmbito da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMMARH, o projeto inclui ações de educação quanto à coleta seletiva e metodologias pedagógicas direcionadas à públicos-alvo variados, incluindo comunidades em contexto vulnerabilidade social, escolas da rede pública e empreendedores autônomos. Esse tipo de prática inovadora tem como objetivo principal inserir a sustentabilidade como rotina, garantindo o envolvimento da população nas práticas de separação e reciclagem e, assim, a perenidade do projeto.

A expansão do projeto Horta Verde se deu com a implementação do serviço de Coleta Seletiva Domiciliar, o primeiro caso no estado do Maranhão. Assim o munícipe que habita ou trabalha nas áreas centrais da cidade pode disponibilizar os seus resíduos sólidos recicláveis diretamente à ASCAMARI. O serviço atende os bairros de Maranhão Novo, Três Poderes, Juçara, Centro e Beira Rio. A coleta seletiva domiciliar ocorre três vezes por semana, em dias alternados à coleta de resíduos sólidos domiciliares.

Atualmente, a abrangência geográfica do projeto constitui-se em toda a malha central da zona urbana de Imperatriz, uma faixa de 50 mil munícipes com acesso ao serviço de coleta seletiva domiciliar. Quanto aos beneficiários diretos, membros cadastrados da Associação de Catadores são atualmente 60 associados que vivem exclusivamente desta atividade. Além disso, contam-se os colaboradores, funcionários e vinculados às instituições parceiras, em uma estimativa de 200 pessoas, em variados bairros e zonas do município.

A intenção do município é continuar a ampliação das rotas de coleta, com o objetivo de universalizar o serviço no mais curto prazo possível. A coleta de materiais recicláveis, dispostos pelos próprios moradores e estabelecimentos comerciais, ocorrem em dias contrários à coleta de resíduos sólidos domiciliar. Após a coleta dos materiais, estes são transportados ao centro de triagem coordenado pela ASCAMARI, para separação final e comercialização por parte da associação de catadores.

Diretor do Programa Feira Verde, Izidorio Campos reforça a importância do projeto para a conscientização sobre a importância da coleta seletiva e o envolvimento com o produtor rural local. “Em dois anos à frente do projeto notamos um crescimento elevado do projeto e queremos expandir ainda mais. O objetivo em 2019 é alcançar um público de 15 mil pessoas por mês”, afirma.

O envolvimento com produtores rurais da região e o apoio ao escoamento da produção local são ações fundamentais para a implementação do ODS 12 Consumo e produção Responsáveis. As metas específicas para que possamos assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis incluem reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial até 2030, alcançar o manejo ambientalmente saudável dos produtos químicos e todos os resíduos e reduzir substancialmente a geração de resíduos por meio da prevenção, redução, reciclagem e reuso; entre outros.

Objetivo:

O projeto Imperatriz, A Gente Faz: Coleta Seletiva tem como principal diretriz a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que prevê apoio e fomento à atividade dos catadores de material reciclável. Por meio de parcerias institucionais e das rotas de coleta seletiva residencial no município, o projeto visa uma gestão adequada dos resíduos sólidos recicláveis do município, evitando a sua disposição final no meio ambiente.

Cronograma e Metodologia:

2013: Início do projeto Feira Verde

2018:

- Em Maio foi entregue a versão final do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos e do Plano Municipal de Coleta Seletiva por meio da Lei Complementar Nº 1.743/2018.

- Em Setembro é implantada a Coleta Seletiva Domiciliar

Resultados:

- Renda de cerca de 60 famílias da Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Imperatriz, Ascamari, que se sustentam da coleta seletiva do município;

- Redução de aproximadamente 5 toneladas de recicláveis que seriam destinados ao lixão, por semana;

- Estabelecimento de 14 Ponto de Entrega Voluntária (PEV) em variados bairros no município, facilitando a destinação dos resíduos pela população;

Instituições envolvidas:

Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMMARH

Núcleo de Educação Ambiental – NEA

Contato:

Prefeitura de Imperatriz

Rua Rui Barbosa, 201 - Centro

Cep: 65900-440

Fontes:

Plano Municipal de Coleta Seletiva – PMCS

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Imperatriz – PMGIRS

Plano Diretor de Imperatriz

Política Nacional de Resíduos Sólidos – PNRS

Galeria de Imagens: 
37
última modificação: seg, 25/03/2019 - 17:45