Início > Boas Praticas > Juruti sustentável: construindo indicadores da cidade com participação social

Juruti sustentável: construindo indicadores da cidade com participação social

Juruti

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
PA
População (Ano): 
47.123 hab.
Ano População: 
2010
Área Total (Ano): 
8.303,96 km²
O levantamento de indicadores na cidade paraense de Juruti foi o início de um processo de transformação no município rumo ao desenvolvimento sustentável .

Descrição

Em 2005, a Alcoa convidou a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio) para apresentar uma proposta de modelo de desenvolvimento local de longo prazo para a cidade de Juruti. O município enfrentava o início de grandes e profundas mudanças devido à chegada da empresa para um projeto de mineração na região. O modelo apresentado, que recebeu o nome de Juruti Sustentável, parte de quatro premissas e um tripé de intervenção.

As premissas são:

- participação ampla e efetiva da sociedade;

- transformações geradas pela implantação da mina de bauxita em Juruti extrapolam os limites municipais;

- transformações ocorrem em de um contexto de dinâmicas de desenvolvimento regional;

- necessidade de uma contínua internalização da sustentabilidade dentro da empresa;


Já o tripé de intervenção envolve:

- criação e articulação de um espaço de mobilização social;

- construção de indicadores para monitorar as transformações sociais, ambientais e econômicas de Juruti e região;

- formação de um fundo de apoio a projetos de desenvolvimento local.


O processo de construção de indicadores de monitoramento se deu a partir da participação ampla e efetiva da sociedade local, com base em uma metodologia para a definição de um território de monitoramento. Foram dois anos de construção, com a participação de mais de 500 representantes de instituições locais e regionais, o que incluiu a realização de pesquisas, oficinas, reuniões, coleta de dados, levantamento bibliográfico e trabalho de campo.

Os indicadores oferecem a possibilidade de subsidiar e orientar as políticas públicas municipais, estaduais e federais, o investimento das empresas na região, além de instrumentos financeiros colocados à disposição da comunidade, como o Fundo Juruti Sustentável (Funjus). Auxiliam no planejamento municipal na instalação de grandes empreendimentos, como no caso da Alcoa, para que o território saiba como sofrer não apenas os impactos negativos dessas atividades, mas, principalmente, com os positivos.

Além disso, os indicadores agora auxiliam a população nas questões relacionadas ao desenvolvimento do município, como definir e apontar quais prioridades e caminhos a seguir.               


Metodologia

A construção dos Indicadores de Juruti se deu a partir de etapas distintas:

• Pesquisas iniciais e visitas preparatórias

• Oficinas de Trabalho:

- 1ª oficina: em Juruti (Janeiro de 2008)

- 2ª oficina: em Santarém (Fevereiro de 2008)

- 3ª oficina: em Belém (Abril de 2008)

• Consulta pública – avaliação, sugestões, priorização

- Cartilha de apoio

- Mobilização

- Minioficinas nas comunidades rurais (Julho de 2008)

- Internet

• Reunião pública

- Encerramento do processo e definição dos indicadores

- Fechamento dos temas prioritários para acompanhamento

• Fase final: diagnóstico do desenvolvimento de Juruti e entorno

- Métricas e protocolos (onde e como medir)

- Coleta de dados (busca das informações)

• Apresentação dos resultados

- Livro

- Sistema na internet                   


Objetivos

• Identificar os municípios do entorno que podem sofrer influências a partir da instalação da Alcoa em Juruti e sugerir indicadores para acompanhar o desenvolvimento da região;

• Facilitar para que o cidadão entenda melhor a situação do município, por meio da discussão com sua família, seus vizinhos, nas igrejas, comunidades e instituições;

• Usar as informações em escolas, cursos técnicos e universidades, como fonte de estudo e pesquisa;

• Subsidiar a elaboração de políticas públicas;

• Orientar amplamente os rumos de Juruti nos espaços coletivos de discussão, tais como o Conselho Juruti sustentável (CONJUS) e os Conselhos Municipais.                   


Cronograma

• 2008: Oficina de trabalho em Juruti, Santarém e Belém.

• 2008 (Julho): Consultas públicas nas comunidades rurais.

• 2008 (Agosto): Reunião pública

• 2009: Evento final

• 2010: O Conselho Juruti Sustentável entrega a Carta Juruti Sustentável - primeiro esboço para uma agenda de sustentabilidade local.

• 2010 – 2011: Ajustes de indicadores, Grupo de aconselhamento, Coleta de dados, Capacitação para coleta, Prática de leitura e uso.

• 2011: Segunda edição da publicação dos Indicadores de Juruti.                   


Resultados

• Os indicadores são classificados em “Meio ambiente”, “Ser humano e sociedade”, “Economia e Infraestrutura”, “Indicadores do entorno”, apresentando de forma didática as principais características referentes ao município e à qualidade de vida da sociedade;

• Nesse processo, foram criados mais de 170 indicadores, devido à demanda da população em se tratar diferentes assuntos da cidade: educação, saúde, segurança, meio ambiente, economia, vulnerabilidade social, entre outros. Foi utilizado um número extenso para análise, mas que foi levantado como essencial de acordo com a demanda local;

• Os indicadores estimularam a produção e compilação de dados por parte da prefeitura da cidade. Algumas informações que não estavam disponíveis para a produção da primeira edição do livro dos indicadores, em 2008/2009, foram preparadas e publicadas pelo município. Um exemplo disso é grande parte dos registros da área da segurança;

• Desde julho de 2011, foram realizadas oficinas de leituras e conversas sobre os indicadores com a comunidade. As atividades são voltadas aos munícipes e tem foco na discussão da evolução dos dados econômicos, ambientais e sociais do município e na identificação de formas de uso desses dados de modo a promover a melhoria da qualidade de vida da população;

• Em 2011, os indicadores de Juruti passaram a fazer parte do currículo escolar da cidade e hoje são utilizados como subsídios para o processo de aprendizado;

• A apropriação do conhecimento produzido pelo diagnóstico proveniente dos indicadores ajudou no processo de resgate da própria identidade local, a partir do levantamento histórico de características socioambientais da cidade;

• Criação do Conselho Juruti Sustentável: Espaço permanente de diálogo e ação coletiva entre organizações civis, poder público e empresas orientadas para o desenvolvimento sustentável de Juruti;

• Criação do Fundo Juruti Sustentável: Ferramenta de financiamento de longo prazo. Busca alavancar o desenvolvimento local. Complementa, não substitui, o poder público como financiador de políticas públicas.                   


Instituições envolvidas

• ALCOA

• Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da Fundação Getúlio Vargas (FGV Projetos)

• Fundo Brasileiro para Biodiversidade (FUNBIO)

• População da cidade de Juruti


Contatos

Secretaria Executiva
Email: [email protected]                                     

 

Fontes

http://www.indicadoresjuruti.com.br/

http://intranet.gvces.com.br/cms/arquivos/indicadoresjuruti_baixa.pdf

http://www.youtube.com/watch?v=LZ5s96fUq1w

http://www.youtube.com/watch?v=1W1W4-X67ng

http://www.agorajuruti.com/news/juruti-recebe-oficinas-para-uso-dos-indicadores-de-desenvolvimento/

http://fabioabdala.wordpress.com/2011/12/15/indicadores-de-juruti-lancamento-da-edicao-2011/

www.conjus.org.br

http://www.cidadessustentaveis.org.br/sites/default/files/arquivos/juruti_sustentavel.pdf   

Galeria de Imagens: 
18
última modificação: qua, 16/10/2013 - 14:38