Início > Boas Praticas > Madri Central promove uso da cidade para pedestres e ciclistas

Madri Central promove uso da cidade para pedestres e ciclistas

Madrid

Continente: 
Europa
País: 
Espanha
População (Ano): 
3.232.463 hab.
Ano População: 
2007
Projeto da Gran Via voltado a pedestres e ciclistas
Madri Central é uma zona de baixa emissão de poluentes que tem como foco a experiência de pedestres, ciclistas e usuários de transportes públicos da capital espanhola. A área de mais de 400 hectares se tornou uma espécie de pulmão para Madri, realizando um projeto que entrou em vigor em 2019 como resultado de um planejamento conjunto desenvolvido nos últimos anos no país em prol da sustentabilidade urbana. Qualidade do ar é qualidade de vida para todos.

Descrição

Plano A é como ficou conhecido o Plano de Qualidade do Ar e Mudanças Climáticas aprovado pela Câmara Municipal de Madri, documento que delineia medidas necessárias para garantir a saúde da população frente aos impactos da poluição e mudanças climáticas. A primeira etapa do projeto estabeleceu metas objetivas a serem cumpridas até 2020 e uma segunda etapa abrange um horizonte de médio prazo. Até 2030 deverão estar em funcionamento todas as ações para a necessária regeneração urbana, transição energética, renovação da frota de veículos e consolidação de um modelo de cidade de baixa emissão de poluentes.

 

Iniciada em 1910, a Gran Via é a mais conhecida avenida de Madrid e considerada uma das mais importantes obras da história da Espanha. Mais de cem anos depois da sua construção, passa agora por mudanças estruturais buscando manter-se como ícone emblemático do país. Mas a transformação da movimentada área não será voltada à serviços e comércio como é hoje, mas à sustentabilidade. Para tal, estão em curso medidas para a redução na velocidade das vias, a ampliação de calçadas e ciclovias, o incentivo à frota de ônibus e taxis de baixa emissão e a priorização das estruturas públicas de transporte. 

 

Madrid viola o limite de dióxido de nitrogênio fixado pelo Protocolo de Gotemburgo desde 2010, ano em que a fiscalização entrou em vigor, arriscando-se a sofrer uma multa milionária e ainda aumentar o número de casos médicos provocados pela poluição. O Protocolo estabelece limites nacionais máximos para os poluentes dióxido de enxofre (SO2), óxido de nitrogênio (NOx), compostos orgânicos voláteis não metânicos (COVNM) e amoníaco (NH3). Nesse sentido, a proposta de mudanças nas regras de circulação da zona central acompanhou uma série de interferências urbanas ao longo dos últimos anos, culminando no projeto Madri Central.

 

Além de reduzir em mais da metade a emissão de poluentes, o principal objetivo do projeto é a construção de uma cidade que priorize espaços para pedestres, ciclistas e transportes públicos, mudança com impacto não só na qualidade atmosférica da capital, mas no estilo de vida da população em geral. O projeto se inicia em 2004 com a implementação de zonas de restrição de tráfego rodoviário no centro de Madri, as Áreas Prioritárias Residenciais (APR). Ao longo da última década houveram esforços políticos para consolidação de um planejamento que desse continuidade aos princípios do projeto, mas apenas em 2016 surge o esboço do Plano de Qualidade do Ar e Alterações Climáticas de Madri, aprovado em versão final em 2017. 

 

Considerando uma ampla e integrada estratégia de desenvolvimento urbano sustentável, a execução das medidas indicadas pelo Plano resultou na delimitação de uma área central de emissão zero, que inclui a Gran Via. Essa zona nada mais é do que a consolidação do centro em uma grande área residencial, que por sua vez deve funcionar como um catalisador de transição da cidade para um modelo de mobilidade de baixa emissão. Entrando em vigor em novembro de 2018, a área afetada pelo projeto cobre quase todo o Distrito Central e consiste na proibição da circulação de veículos.
A otimização das emissões resultantes da logística urbana e a reforma das principais vias de acesso ao centro de Madri foram ações estratégicas, desenvolvidas de forma integrada como mecanismos de regulação da qualidade do ar. A cidade encontrou um novo modelo de baixa emissão, com ações de mobilidade, urbanismo e gestão de energia e recursos combinadas para garantir a efetividade das políticas e a promoção do equilíbrio entre intervenções urbanas e preservação ambiental. 

 

O projeto Madri Central atende os objetivos do Eixo Bens Naturais Comuns do PCS, estando diretamente relacionado com a melhora substantiva da qualidade do ar, segundo os padrões da Organização Mundial da Saúde. O estabelecimento de compromissos com a proteção, preservação e acesso equilibrado aos bens naturais comuns dialoga com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e apresenta indicadores referentes a questões primordiais no cuidado com o meio ambiente e a saúde da população em geral. 

Objetivo:

- Garantir a qualidade do ar em Madri e fortalecer a cidade contra futuros impactos climáticos, diminuindo a vulnerabilidade urbana contra os riscos associados ao aquecimento global;

- Cumprir a legislação europeia e em matéria de qualidade do ar, atingindo os níveis de qualidade do ar recomendado pela Organização Mundial da Saúde;

- Efetivar o compromisso de reduzir em 50% as emissões causadas pela mobilidade urbana até 2030 e 40% das emissões totais de gases de efeito estufa no município, contribuindo para os objectivos do Acordo de Paris e da Agenda Climática da UE;

- Estabelecer uma frota de ônibus urbanos de baixa emissão, com 73 veículos elétyricos em funcionamento até o final de 2019;

Cronograma e Metodologia:

2004: Criação das primeiras áreas residenciais prioritárias, limitadas ao tráfego de moradores;

2014: Madri se torna a primeira capital européia a disponibilizar bicicletas elétricas compartilhadas, com a inauguração do sistema BiciMad. São 1.500 bicicletas, distribuídas em 123 estações e com funcionamento 24 horas por dia, um embrião da política de priorização de pedestres e ciclistas na cidade;

2016: Em novembro é apresentada a primeira versão do Plano de Qualidade do Ar e Mudança Climática de Madri para apreciação e debate da sociedade;

2017: Em abril é aprovado o Plano A de Qualidade do Ar e Mudança Climática de Madri;

2018: Em novembro começa a funcionar o projeto Madri Central em caráter informativo;

2019: Em março passam a vigorar as regras do projeto Madri Central, inclusive com aplicação de multas e sanções;

Resultados:

- Redução de 38% nas emissões de óxido de nitrogênio e 14% nas emissões de dióxido de carbono, em apenas 4 meses de implementação do projeto;

- Redução de mais de 30% do tráfego de automóveis na principal via central da cidade, apenas entre 2017 e 2018;

- Incremento de 10 mil passageiros por dia no transporte público de superfície, entre 2017 e 2018;

- Aumento de 20% no uso de bicicletas compartilhadas;

- Elaboração de um planejamento municipal com participação ativa da sociedade;                

Instituições envolvidas:

Prefeitura de Madri

Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Mobilidade

Contato:

Projeto Madri Central

Página para contato da população

+34 915 298 210

Fontes:

Plano A de Qualidade do Ar e Mudança Climática de Madri

Diretiva de 2016 da Comissão Europeia para redução na emissão de poluentes atmosféricos

Relatório da Comissão Européia sobre Mobilidade de Baixa Emissão

Pacote Ar Limpo: Projeto da União Europeia para redução da poluição atmosférica

Protocolos da União Europeia sobre Qualidade do Ar

 

https://www.eldiario.es/madrid/especialmente-significativo-descenso-vehiculo-privado_0_879462787.html

Artigo “Las actuaciones y adaptaciones en las ciudades frente al cambio climático. El caso de Madrid Central”

 

Galeria de Imagens: 
12
última modificação: sex, 05/04/2019 - 17:10