Início > Boas Praticas > Oslo, Capital Verde da Europa 2019

Oslo, Capital Verde da Europa 2019

Oslo

Continente: 
Europa
País: 
Noruega
População (Ano): 
634.293 hab.
Ano População: 
2014
Área Total (Ano): 
440,00 km²
Ano Área Total: 
2014
Urbanistas, gestores e a comunidade de Oslo vem se dedicando a pensar políticas de redução das emissões de carbono na cidade, processo que ao longo das últimas três décadas resultou em um modelo que inclui gestão de resíduos, programas de combate à poluição e outras medidas para garantir um futuro mais sustentável para todos. Em 2019 foi escolhida como Capital Europeia Verde, reforçando sua posição histórica como referência em sustentabilidade.

Descrição:

Ocupando apenas 3% da superfície do planeta, os centros urbanos são hoje povoados por mais da metade da população humana e correspondem a 75% das emissões de gases de efeito estufa, segundo dados da Organização das Nações Unidas. Essas são apenas alguns elementos que colocam as cidades como potenciais polos de transformação dos modelos de desenvolvimento, espaços onde as soluções sustentáveis precisam ser mais complexas, na mesma medida em que cada vez mais necessárias.
Exemplo nesse sentido tem dado a cidade de Oslo, cujas políticas estão comprometidas em torná-la sustentável em termos de seu desenvolvimento urbano. Capital política e econômica da Noruega, a maior cidade do país tem uma população de 660 mil habitantes e está cercada pela nacionalmente protegida Floresta Marka e o Fiorde de Oslo, ambos conectados por diversos rios e canais. A Região metropolitana da capital detém 24% de todo o PIB norueguês e o quarto mais alto PIB per capita da Europa, capital amplamente investido em projetos ambiciosos e uma política ambiental que já apresenta resultados. 
O país com o maior número de veículos elétricos per capita do mundo, tem em suas metas um modelo de mobilidade 100% elétrica e o objetivo de neutralizar suas emissões de carbono carbono até 2050. A restauração das hidrovias de Oslo reabriu 3km de córregos e rios anteriormente fechados para a construção de rodovias na cidade, tornando-os acessíveis ao público, facilitando a recuperação de ambientes degradados e ajudando na gestão eficiente da água da chuva.
Essas são algumas das iniciativas que levaram Oslo a ser nomeada a Capital Verde da Europa em 2019. O prêmio considera cidades que liderem caminhos em direção à padrões mais elevados de desenvolvimento urbano sustentável, considerando a participação e compromisso da sociedade, empresas e organizações. A seleção se dá com base em doze indicadores ambientais: Mudança Climática, Mobilidade Urbana, Uso Sustentável do Espaço, Biodiversidade, Qualidade do ar, Desperdício de água, Qualidade Sonora, Manejo de resíduos, Green Development, Eco-Inovação, Desempenho Energético e Gestão Integrada.
Com o título de Capital Verde, Oslo se compromete a ser um modelo para que outras cidades invistam em espaços públicos alinhados aos objetivos climáticos globais e direcionados às necessidades de seus moradores. Uma mudança importante tem sido a transição para combustíveis renováveis, que já conferiu a Oslo o título de maior frota de veículos elétricos do mundo. Segundo dados da ONU Meio Ambiente, essa mudança foi responsável pela redução das emissões de CO2 em 35% desde 2012. A cidade se tornou a "Capital do Veículo Elétrico", com 30% de todos os veículos vendidos na cidade.
A capital está entre as 52 cidades participantes da campanha Breathe Life, liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), ONU Meio Ambiente e Coalizão Clima e Ar Limpo com o objetivo de mobilizar comunidades pelo compromisso com a qualidade global do ar. O Orçamento Municipal para o Clima, aprovado em Oslo em 2016, é uma estratégia importante para indicar áreas de atuação prioritárias, dividir responsabilidades e garantir a perenidade desses projetos ao longo do tempo. 
Inovação é a palavra de ordem para potencializar o alcance dos projetos desenvolvidos na cidade, fazendo da integração e da capacidade de desenvolvimento de parcerias etapa fundamental para alcançar objetivos previstos. O biogás produzido a partir de resíduos urbanos é usado para abastecer ônibus da rede metropolitana e caminhões de lixo, enquanto o projeto 'Uma cidade sem carros' vem promovendo campanhas para valorizar o uso do transporte público e não motorizado. O município substituiu espaços de estacionamento por vagas para bicicletas, bancos públicos, parques e espaços verdes. 
O novo bairro de Vulkan, construído em uma antiga área industrial em Akerselva, é uma vitrine para o planejamento urbano ecológico. O desejo de criar um distrito energeticamente eficiente resultou em um sistema que inclui uma usina local com poços geotérmicos, prédios com painéis solares nas fachadas e dois hotéis que reciclam a energia do sistema de resfriamento e dos elevadores. Oslo também estabeleceu a "Rede de Negócios para o Clima", que fomenta a cooperação entre a comunidade empresarial, os cidadãos e o governo na abordagem do impacto que as operações comerciais têm sobre o clima. 
A capacidade de integração das políticas públicas colocou a cidade em posição de vanguarda quanto ao uso circular de recursos e sua conversão em políticas que tragam melhorias reais na qualidade de vida de seus cidadãos. Nesse sentido é valorizada a participação da população na formulação de políticas e seu engajamento no monitoramento de ações. A amplitude e integração entre os temas abrange de forma transversal os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, com destaque para as Ações contra a Mudança Global do Clima, fazendo de Oslo um exemplo inpsirador de uma Cidade Sustentável.

Objetivo:

- Incentivar a criação de uma cidade mais verde e diversa;
- Atingir emissão zero no sistema de transporte da cidade;
- Melhorar a qualidade do ar e engajar a população em uma cultura de cuidados com a saúde e bem;

Cronograma e Metodologia:

1998: Lançamento do Programa Ecológico Municipal, que permite à Câmara Municipal monitorar e avaliar projetos ambientais na região. O programa foi revisado em 2011 e contém metas até 2026.
2012: Criação da Rede de Negócios para o Clima, que promove o diálogo entre empresas e comunidade na direção de um trabalho contínuo pela preservação do meio ambiente
2015: Prefeitura assume compromisso formal de direcionar o crescimento da cidade para um desenvolvimento justo e sustentável 
2016: Em junho, a Câmara Municipal aprovou a Estratégia Climática e de Energia para Oslo, estabelecendo metas para reduzir as emissões de Co2 em 50% até 2020 e 100% até 2050.
2018: Oslo é escolhida como Capital Verde Europeia de 2019

Resultados:

- Oslo é hoje a cidade com maior número de carros elétricos per capita do mundo. 30 % dos novos veículos comercializados na cidade são elétricos; 
- Em 2015, apenas 1,3% da energia utilizada no aquecimento urbano advinha de combustíveis fósseis
- Em 2016, todo o combustível utilizado nos metros da cidade já advinha de energias renováveis e 35% da frota do transporte público com biocombustíveis. A meta é chegar em 60% em 2015
- 20% da iluminaçao pública é composta de instalações eficientes e a Prefeitura pretende chegar em 100% até 2025
- Redução de 35% na poluição do ar na cidade, em menos de 10 anos de medições
- Criação de um ambiente que incentive o desenvolvimento de comunidades mais justas e democráticas

Instituições envolvidas:

Prefeitura de Oslo

Prêmio Capital Verde Europeia

Contato:

Prefeitura de Oslo

Email: [email protected]

Endereço: Rådhuset, 0037

Fontes:

Oslo: Cidade Verde

Ficha de inscrição no Prêmio Capital Europeia Verde 2019

http://breathelife2030.org/

Galeria de Imagens: 
14
última modificação: qua, 13/02/2019 - 12:42