Início > Boas Praticas > Poços de Caldas inova com Espaços Educadores Sustentáveis

Poços de Caldas inova com Espaços Educadores Sustentáveis

Poços de Caldas

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
MG
População (Ano): 
152.435 hab.
Ano População: 
2010
Área Total (Ano): 
547,00 km²
Ano Área Total: 
2010
Como desdobramento do programa nacional do Ministério do Meio Ambiente pela construção de Municípios Educadores Sustentáveis, Poços de Caldos implementou uma experiência de educação ambiental apoiada na adaptação do espaço físico, da gestão e do currículo escolar oferecido. A inter-relação dessas três dimensões fizeram dos Espaços Educadores Sustentáveis (EES) incubadoras de mudança para estas escolas e comunidade. A modificação do espaço físico do ambiente escolar com a participação de gestores e docentes veio acompanhada da elaboração de um Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade com diretrizes para garantir a continuidade e replicabilidade do projeto.

Descrição:

Um currículo escolar direcionado à cultura sustentável deve contemplar temas transversais à economia local, espécies e ecossistemas, formas de restauração da terra e solos danificados, preservação da água, energia, tecnologia e interação humana. Em tempos de mudanças socioambientais globais, a comunidade escolar tem papel fundamental na adaptação de espaços e currículos às premissas da sustentabilidade, além de agente de conscientização. Na mobilização para a construção de cidades sustentáveis se encontra o Projeto Espaços Educadores Sustentáveis, locais pensados como oportunidade de incorporar a dimensão da cidadania na educação formal, que também é o objetivo central do Eixo do PCS Educação para a Sustentabilidade e Qualidade de Vida.

Os princípios da educação integral, no âmbito do Programa Mais Educação (Decreto 7.083/2010), incentivam a criação de espaços educadores sustentáveis com a readequação dos prédios escolares, incluindo acessibilidade, gestão e formação de professores, além da inserção das temáticas de sustentabilidade ambiental nos currículos e no desenvolvimento de materiais e conteúdos programáticos. Anteriormente, ainda em 2005, o governo federal lançou o Programa Municípios Educadores Sustentáveis, que propõe o diálogo entre diversos setores em prol de projetos e ações com enfoque educativo desenvolvidos nos municípios, bacias hidrográficas e regiões administrativas.

Seguindo diretrizes do Programa Nacional Municípios Educadores Sustentáveis, a E. M. Professora Carmélia de Castro, localizada na zona rural de Poços de Caldas, projetou e executou a modificação do ambiente escolar visando a construção de espaços e um currículo que contribua para a criação de um município educador para a sustentabilidade. Afim de consolidar o desenvolvimento de atividades educativas com estes recursos, criou-se o PEAS (Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade da E.M. Professora Carmélia de Castro), uma forma de garantir que um trabalho efetivamente constante e eficiente seja realizado na escola.

A comunidade escolar teve participação constante no projeto, que contou com 12 reuniões presenciais para estabelecer um plano de planejamento integrado, garantindo o envolvimento de alunos e familiares. A escola ganhou uma composteira, uma horta mandala, uma fossa de evapotranspiração, sistema de captação da água da chuva, aquecedor solar com garrafa pet e uma panificadora sustentável. A Prefeitura deu apoio na construção, mas a comunidade local acompanhou seu desenvolvimento em todas as etapas.

Considera-se que a transição para a sustentabilidade nas escolas acontece a partir de três dimensões inter-relacionadas, sendo o espaço físico, gestão e currículo. Frente a esta complexidade, o projeto buscou modificar o espaço físico do ambiente escolar em conciliação com gestores e docentes, elaborando um Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade com a finalidade de manter um Programa permanente. O aquecedor solar de baixo custo, a captação de água da chuva e outros espaços inovadores não foram pensados apenas como como tecnologias alternativas, mas passaram a integrar o conteúdo educativo.

Em paralelo à infraestrutura, o foco na educação ambiental resultou em projetos e ações complementares e estratégias para engajar diferentes atores, como a elaboração de um Kit de educação ambiental voltado às questões de recursos hídricos, oficinas pedagógicas sobre os sistemas de captação de água da chuva e aquecedor solar de baixo custo para a comunidade, estudantes e professores. O Projeto Eficiência Energética buscou promover a conscientização sobre o tema, se desdobrando em 2016 em um projeto maior da Prefeitura de Poços de Caldas de substituição de lâmpadas fluorescentes e incandescentes nas escolas da região.

O Projeto Ano Internacional para a Cooperação pela Água surgiu da data proposta pela ONU em 2013 para a promoção de debates sobre os desafios do manejo da água. Todas as turmas se envolveram em atividades extraclasse que abordaram de forma lúdica o uso racional da água, poluição, preservação de nascentes e tratamento de água. Os conteúdos se tornaram música, maquetes, cruzadinhas, poemas, vídeos e um kit de educacional para envolver os alunos. Os horticultores da região foram envolvidos no projeto e se tornaram fornecedores de alimentos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), atendendo escolas estaduais da região.

Empresas locais também se envolveram e apoiaram o Programa, destacando a importância da integração de setores diversos na agenda de sustentabilidade urbana. As ações comunitárias, pedagógicas e mudanças físicas propostas pelo projeto são complementarem e formam a base do Eixo do PCS Educação para a Sustentabilidade e Qualidade de Vida. Em diálogo com o ODS 4 – Educação de Qualidade, propõe integrar valores e habilidades para um modo de vida sustentável e saudável à educação formal, contribuindo para a formação de cidadãos mais conscientes e participativos na sociedade.

Objetivo:

Esse projeto teve como objetivo a sensibilização de alunos e comunidade para a conservação e o respeito à natureza, despertando o interesse pela educação ambiental e debates sobre conservação ambiental, justiça social, crescimento econômico e paz. Elaboração de um Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade em consonância com o corpo docente e administrativo escolar, de forma que as ações desenvolvidas sejam trabalhadas de modo permanente, verificando as mudanças da gestão e do currículo escolar, sempre alinhadas com as políticas nacionais previstas no campo da educação e sustentabilidade.

Cronograma e Metodologia:

1994: Em dezembro é criado o Programa Nacional de Educação Ambiental (PRONEA), compartilhado pelo então Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal e pelo Ministério da Educação e do Desporto, com as parcerias do Ministério da Cultura e do Ministério da Ciência e Tecnologia.

1999: Aprovada a Lei n.º 9.795, que institui e regulamenta a Política Nacional de Educação Ambiental.

2010: Decreto Nº 7.083, cria o Programa Mais Educação, onde o conceito de Espaços Educativos Sustentáveis atende a proposta de incrementar o tempo que os estudantes passam na escola.

2012: Lançamento do Guia do Programa Municípios Educadores Sustentáveis pelo MEC.

2013:

- Em Janeiro é aprovada a Política Estadual de Educação Ambiental (PEEA) do Paraná, a saber a Lei nº 17.505;

- Em Outubro entra em funcionamento a panificadora sustentável da Escola Rural Profs. Carmélia de Castro;

- A escola finaliza o ano com a elaboração de seu Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade da E.M. Profª. Carmélia de Castro;

2014: Criação do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (PMSANS) de Poços de Caldas.

2017: Criação da Comissão Municipal de Educação Ambiental na Secretaria de Educação do município, visando acompanhar as ações relacionadas ao tema, por exemplo, tendo decidido revisar o Programa Municipal de Educação Ambiental de Poços de Caldas

Resultados:

O projeto apresentou indicadores educativos de sucesso em relação à proposta pedagógica, onde os estudantes apresentaram um rendimento médio superior, marcante mudança de comportamento e interesse em relação às atividades realizadas, além de assumirem a função de disseminar a conscientização ambiental entre suas famílias. O projeto corrobora com a construção de sociedades sustentáveis na medida em que promove a conscientização para a educação ambiental, cuidado e reaproveitamento de recursos naturais, de uma forma educativa e lúdica.

Os produtos finais na experiência da E.M Professora Carmélia de Castro foram a implementação de um sistema de captação da água da chuva, aquecedor solar de baixo custo, horta mandala, composteira, fossa de evapotranspiração, panificadora sustentável e coleta seletiva de resíduos, interligados para o melhor aproveitamento dos recursos. O projeto utilizou várias técnicas da Permacultura e foi desenvolvido e executado com participação da comunidade escolar e local.

A escola também desenvolveu um projeto educativo chamado Programa de Educação Ambiental e Sustentabilidade (PEAS), que consiste em projetos temáticos sobre o uso racional da água, energia e coleta seletiva, além de atividades extraclasses, concursos e oficinas pedagógicas. Todas essas mudanças transformaram a escola em uma referência em sustentabilidade e educação ambiental na cidade de Poços de Caldas.

Instituições envolvidas:

Prefeitura de Poços de Caldas

Secretaria Municipal de Educação

Secretaria Municipal de Obras

Universidade Federal de Alfenas Campus em Poços de Caldas (UNIFAL-MG)

Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (EMATER-MG)

E. M. Professora Carmélia de Castro

Contato:

Escola Municipal Professora Carmélia de Castro

Fazenda Catanduva, Bairro Souza Lima - Poços de Caldas.

Cep: 37700-000

Telefone: (035) 3712-1351

E-mail: [email protected]

Fontes:

Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável – PMSANS/Poços de Caldas

Cartilha do Programa Municípios Educadores Sustentáveis

Manual Escolas Sustentáveis, Resolução CD/FNDE nº18, de 21 de maio de 2013.

Programa Município Educadores Sustentáveis, de 2005

Programa Mais Educação

Lei nº 9.795, 27 de abril de 1999, institui a Política Nacional de Educação Ambiental

ProNEA: Programa Nacional de Educacão Ambiental, de 2005

https://www.unifal-mg.edu.br/ppgcea/files/file/disserta%C3%A7%C3%B5es/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20L%C3%ADlian%20Ferreira.pdf

http://pocosdecaldas.mg.gov.br/noticias/escola-carmelia-de-castro-ganha-panificadora-sustentavel/

Galeria de Imagens: 
35
última modificação: qua, 27/02/2019 - 13:30