Início > Boas Praticas > Poesia e empreendedorismo resgatam tradições de Goiás

Poesia e empreendedorismo resgatam tradições de Goiás

Cidade de Goiás

Continente: 
América do Sul
País: 
Brasil
Estado - Província: 
GO
População (Ano): 
22.916 hab.
Ano População: 
2010
Área Total (Ano): 
3.108,00 km²
Ano Área Total: 
2010
O Projeto Mulheres Coralinas foi desenvolvido com foco no empoderamento e capacitação de mulheres artesãs da Cidade de Goiás a partir das obras da poetisa Cora Coralina. Grupos de leitura e oficinas com especialistas visam a valorização de seus fazeres tradicionais com metas de profissionalização e o resgate da condição cidadã como parte do desenvolvimento social da condição feminina.

Descrição:

Considerar a cultura no centro das políticas de desenvolvimento constitui um investimento essencial na construção de comunidades mais justas, sustentáveis e que pratiquem e incentivem a diversidade cultural. A proposta da Agenda 2030 destaca-se como um avanço substancial no campo da cultura, se relacionando com aspectos da educação, segurança alimentar, meio ambiente, crescimento econômico, padrões sustentáveis de produção e consumo, assim como a construção de comunidades pacíficas e inclusivas.

Sob essa ótica, a implementação dos objetivos sobre a salvaguarda e a promoção do patrimônio cultural e natural, das dinâmicas culturais e criativas serão a chave para sua efetivação. A cultura contribui transversalmente em diversos pilares da sociedade, enquanto as dimensões econômica, social e ambiental do desenvolvimento sustentável contribuem para a salvaguarda do patrimônio histórico e tradições culturais locais.

Esse patrimônio tangível e intangível traz recursos fundamentais para o exercício do ODS 11, que prevê cidades e assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis. A Boa Prática realizada na cidade de Goiás se aplica especialmente à meta 11.4, fortalecer esforços para proteger e salvaguardar o patrimônio cultural e natural do mundo, mas abrange ainda diversos outros Objetovos do Desenvolvimento Sustentável, com destaque aos ODS 5 e 10. Conhecida por seu conjunto arquitetônico tombado Iphan desde 1978, a cidade histórica foi também reconhecida como Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco em 2001, títulos que reforçam a vocação cultural da antiga capital do estado.

O Projeto Mulheres Coralinas tem como principal objetivo tecer laços entre a cultura local – especialmente o patrimônio que abrange a história, arquitetura, cultura popular e a poesia de Cora Coralina – e atividades de capacitação para a autonomia econômica e emancipação cidadã de mulheres da comunidade. Utilizando incentivos da política nacional de combate à violência contra a mulher, entre 2014 e 2016 a gestão municipal promoveu a capacitação de 150 mulheres da comunidade em gastronomia, artesanato e leitura, estimulando o associativismo e um empreendedorismo que visasse a autonomia das mulheres, tanto no aspecto econômico quanto no empoderamento social.

A capacitação em artesanato – cerâmica, palha, bordado manual – gastronomia, leitura e educação foi feita por meio de oficinas, palestras, viagens técnicas e outras atividades de formação e de socialização do saber. O primeiro módulo da formação foi voltado ao resgate da culinária tradicional goiana, seguido das linhas, riscos e agulhas usadas na arte do bordado tradicional goiano. No terceiro modulo se trabalhou o resgate da memória afetiva da infância, com a confecção artesanal de bonecas de pano e, nos demais módulos, as mulheres trabalharam com palha e barro nas capacitações em artesanato.

As poesias de Cora Coralina, marcada por motivos do cotidiano do interior brasileiro, foi uma atividade transversal durante todo o projeto, oportunizando às mulheres um mergulho na obra e na vida inspiradora da poetisa goiana, também doceira de profissão. O projeto procurou contribuir ainda para a promoção da cidadania, trabalhando a educação patrimonial em conjunto à cultura local, capacitando a comunidade sobre aspectos de segurança e saúde no trabalho, orientando sobre direitos cidadãos e das mulheres, em específico, os previstos na Lei 11.340/2006, Lei Maria da Penha.

Ao longo da formação a prefeitura cedeu uma sala no Mercado Municipal como ponto para venda dos produtos artesanais, que ao final do período passaram a ser comercializados a partir da Associação Mulheres Coralinas, que surgiu ao final do segundo ano do projeto como forma de dar continuidade ao trabalho desenvolvido e gerar renda contínua às mulheres. Aberta em dezembro de 2016, a sala se destina não só à venda coletiva dos produtos confeccionados pelas associadas, mas, também se propõem a ser um espaço de fomento da cultura local e debate entre as mulheres, contemplando lançamentos de livros, exposições e rodas de conversas. Hoje a Associação conta com 71 integrantes.

O projeto Mulheres Coralinas trabalhou a transversalidade da cultura com impacto positivo em outros setores da vida pública do Município, especialmente educação, assistência social, saúde e turismo. A promoção de um desenvolvimento econômico sustentável e articulado ao social reforça a efetividade de políticas públicas integradas e que considerem o engajamento da comunidade. “O projeto tem na história da poetisa motivo de inspiração para as mulheres da comunidade, que reinterpretam sua própria história com a possibilidade de alargar seu olhar sobre o mundo, isto é, a capacidade de enxergar e repensar seu lugar em suas casas, na cidade e no mundo”, explica Elenizia da Mata de Jesus, uma das idealizadoras do projeto.

A Boa Prática se insere no Eixo Cultura para a Sustentabilidade, que prevê a valorização da identidade local, da gestão participativa e do fomento à produção local por meio de experiências e tradições culturais de um grupo ou local. Agregando valor à compreensão do passado uma comunidade descobre potencialidade reforça sua identidade e características, contribuindo para uma visão ampla e sustentável do futuro em comunidade. Assim, a promoção da cultura da sustentabilidade se apresenta na gestão como área de integração entre os diversos setores da administração municipal.

Objetivo:

Capacitar mulheres da Cidade de Goiás como cidadãs e empreendedoras, tecendo laços entre a cultura local e a autonomia econômica e a emancipação dessas mulheres. A capacitação na área da gastronomia e demais saberes das mãos que envolvem os ofícios de bordar, modelar o barro e a palha, confeccionar bonecas entre outras artesanias, a partir da releitura da vida e a obra da poetisa Cora Coralina, que passou a servir de exemplo para as mulheres que desejam, como a poetisa, ressignificar suas vidas

Cronograma e Metodologia:

2014: Início da capacitação de grupos de mulheres na Cidade de Goiás;

2016: A Associação Mulheres Coralinas - ASCORALINAS foi fundada em maio, como desdobramento do Projeto Mulheres Coralinas;

Resultados:

As mulheres encerram o projeto com ganhos subjetivos com o fortalecimento da consciência cidadã e métodos de participação social, e objetivamente com a capacitação profissional que se concretiza na formação da Associação Mulheres Coralinas – ASCORALINAS, a partir de onde a comunidade pode encontrar formas perenes de geração de renda e preservação do patrimônio histórico local.

Instituições envolvidas:

Prefeitura da Cidade de Goiás

Secretaria de Cultura da Cidade de Goiás

Secretaria de Políticas para Mulheres - Governo Federal

Contato:

Projeto Mulheres Coralinas

Email: [email protected]

Fontes:

Documentário sobre o projeto Mulheres Coralinas

Projeto Mulheres Coralinas

34
última modificação: seg, 22/04/2019 - 16:24