Início > Noticias > Bons exemplos para a segurança pública

Bons exemplos para a segurança pública

Em entrevista à Rádio CBN Murilo Cavalcanti, secretário do Recife, e Jorge Abrahão, coordenador-geral do PCS, abordam como reduzir a violência.

Por Airton Goes, Programa Cidades Sustentáveis

Inspirado na experiência colombiana das bibliotecas-parque e em outros espaços de cidadania, um projeto que está sendo desenvolvido na cidade do Recife visa difundir a cultura de paz, garantir a inclusão social e fortalecer os laços comunitários. 

O projeto denominado Compaz, o Centro Comunitário da Paz, foi tema da entrevista do espaço Cidades Sustentáveis, na Rádio CBN.  

Murilo Cavalcanti, secretário municipal de Segurança Urbana do Recife, e Jorge Abrahão, coordenador-geral do Programa Cidades Sustentáveis (PCS), explicaram como funciona o Compaz e os resultados alcançados até aqui.  

Também foram lembrados os exemplos das cidades de Diadema, em São Paulo, e de Nova Iorque, nos Estados Unidos, que conseguiram reduzir a criminalidade e a violência.

Os entrevistados deixaram claro que a violência não se combate apenas com mais polícia ou facilitando o acesso às armas.   

Confira aqui a entrevista completa de Murilo Cavalcanti e Jorge Abrahão à Rádio CBN.

Outras informações sobre o tema

A preocupação com a segurança pública, ou melhor, com a falta dela, tem sido um dos temas predominantes no país. Foi um dos motes de campanha do novo presidente eleito, que no último dia 15 assinou um decreto facilitando ao brasileiro o acesso às armas. 

No entanto, o que a população deseja efetivamente é a redução da violência e da criminalidade e se sentir mais segura.  

O decreto de facilitação do acesso às armas não garante que esse desejo seja atendido. Aliás, muitos especialistas e organizações que atuam na área avaliam que a medida pode ter efeito contrário, piorando ainda mais os índices de criminalidade no Brasil. 

Em 2017 – último ano com dados consolidados –, 63.880 pessoas tiveram mortes violentas intencionais no país. O número representa 30,8 mortes para cada grupo de 100 mil brasileiros, índice 30 vezes maior do que a taxa de homicídios da Europa.

Foto: Praia de Boa Viagem, Recife
Crédito: Governo de Pernambuco