Início > Noticias > Paulistano atribui nota 6,3 para qualidade de vida na cidade

Paulistano atribui nota 6,3 para qualidade de vida na cidade

Melhoria de humor detectada na pesquisa, realizada em dezembro, pode ser explicada pela expectativa gerada por presidente, governador e prefeito novos.

Por Airton Goes, da Rede Nossa São Paulo 

Divulgada nesta quarta-feira (23/1) pela Rede Nossa São Paulo e Ibope Inteligência, em parceria com o Sesc São Paulo, a pesquisa “Qualidade de Vida” mostra uma melhora no humor do paulistano em relação à cidade e às instituições e empresas públicas avaliadas. 

Numa escala de 1 a 10, os entrevistados atribuíram nota média de 6,3 para a qualidade de vida na capital paulista. Essa é a maior nota desde 2014 – ano anterior à crise econômica e política que atingiu o país –, quando chegou a 6,6. 


A confiança dos paulistanos nas instituições e empresas públicas também aumentou em relação ao levantamento do ano passado. Todas as 13 organizações avaliadas registraram crescimento no índice, embora apenas quatro apresentem nível de confiança igual ou acima de 50%: Metrô, com 58%; Sabesp, 52%; Conselho Tutelar e Polícia Militar, ambas com 50%. 


Por outro lado, apenas 21% dos entrevistados dizem confiar na Câmara Municipal e 24% afirmam a mesma coisa em relação ao Tribunal de Contas do Município. Subprefeituras, com 27% de índice de confiança, e Prefeitura de São Paulo, com 28%, também estão na parte de baixo do ranking. 

No levantamento do ano passado, os índices dessas instituições eram ainda mais baixos. A Câmara Municipal, por exemplo, registrava 11%. Ou seja, o nível de confiança do órgão, que continua sendo o pior avaliado pelos paulistanos, cresceu 10 pontos percentuais. 

Na lista das instituições que mais registraram crescimento no indicador estão ainda o Poder Judiciário (11% de crescimento), Ministério Público (10%), CET (10%) e Polícia Militar (9%). 

Os resultados da pesquisa “Qualidade de Vida” foram divulgados em evento público realizado no Sesc Bom Retiro. Durante a atividade, ocorreu um debate sobre os dados do levantamento e apresentação artística sobre o tema.  

Confira aqui a apresentação da pesquisa, que integra a série “Viver em São Paulo”. 

Confira também a pesquisa completa

Foram entrevistados 800 moradores de 16 anos ou mais da cidade de São Paulo, no período de 4 a 21 de dezembro de 2018. O intervalo de confiança é de 95% e a margem de erro máxima estimada é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos sobre os resultados totais.

Motivo da avaliação menos crítica do paulistano  

O amento da nota relativa à qualidade de vida em São Paulo e o crescimento do nível de confiança nas instituições não significam que paulistano perceba resultados positivos concretos em seu cotidiano. Ao contrário, 56% da população considera que a atuação da administração municipal na saúde é “ruim ou péssima”. Apenas 7% dizem que é “boa ou ótima”, enquanto 34% assinala “regular”. 

Além disso, a percepção dos pesquisados é que o tempo de espera por consultas, exames e cirurgias na rede pública de saúde aumentou em relação ao levantamento anterior.  

Outro importante setor de atuação do poder público, a educação, também registra avaliação negativa: 51% dos paulistanos dizem que a atuação da administração municipal nessa área é “ruim ou péssima”, 33% consideram “regular” e apenas 13% assinalam “ótima ou boa”. 

O pequeno avanço registrado no percentual de famílias que aguardam vagas em creche há mais de seis meses, que caiu de 56% para 47%, não foi suficiente para colocar a avaliação da educação em um patamar positivo.

A falta de motivos palpáveis para a melhora do humor dos paulistanos pode ser constatada ainda pelo fato de 63% deles declarar que, se pudessem, sairiam de São Paulo para viver em outra cidade. O índice é muito próximo do registrado no levantamento do ano anterior, que ficou em 61%. 

Portanto, segundo o Ibope Inteligência e a Rede Nossa São Paulo, responsáveis pela pesquisa, o que explicaria a avaliação menos crítica dos paulistanos não são fatos concretos é sim a expectativa em relação aos novos governantes nas esferas federal, estadual e municipal. O levantamento foi realizado em dezembro, ou seja, antes da posse dos eleitos. 

"O atual contexto da cidade e do país parece ter contribuído para uma mudança no humor do paulistano, que demonstra certa expectativa e esperança a respeito dos pontos de atenção que a cidade apresenta", conclui o levantamento.

Leia também:

64% dos paulistanos não lembram o nome do vereador em que votaram em 2016 

Análise da pesquisa “Qualidade de Vida” 

Confira a repercussão na mídia:

Satisfação do paulistano com qualidade de vida melhora, mas serviços de saúde ainda geram reclamações, diz pesquisa (portal G1) 

Pela 1ª vez desde 2013, volta a crescer nível de confiança nas instituições em SP (O Estado de S. Paulo)

6 em cada 10 paulistanos ainda querem deixar São Paulo, diz pesquisa (Metro Jornal)

Metrô de SP é instituição melhor avaliada pelos paulistanos (Diário do Transporte)

Pela 1ª vez desde 2013, volta a crescer nível de confiança nas instituições em SP (Isto É Dinheiro)

O paulistano voltou a confiar nas instituições (Diário do Comércio)

Pela 1ª vez desde 2013, volta a crescer nível de confiança nas instituições em SP (UOL)

Metrô é a empresa com melhor avaliação entre os paulistanos (Portal do Governo do Estado de São Paulo)